O novo governo francês é constituído por 11 homens e 11 mulheres, de diferentes famílias políticas. A composição do novo executivo foi anunciada esta quarta-feira pelo novo presidente do país, Emmanuel Macron, no Eliseu.

Depois de ter sido divulgado, na segunda-feira, que o conservador Édouard Philippe era o escolhido para primeiro-ministro, esta quarta-feira Macron anunciou os restantes nomes que integram o novo governo.

No total, são 22 cargos que foram atribuídos tanto a personalidades da família socialista como a conservadores, numa decisão que não é surpreendente dado que esta foi sempre uma das ideias defendidas por Macron durante o período de campanha eleitoral: a criação de pontes entre a esquerda e a direita.

Há ainda vários nomes que não estão associados a qualquer cor política.

Metade dos cargos foi atribuída a mulheres. Sylvie Goulard, por exemplo, foi a escolhida para a pasta da Defesa enquanto a campeã olímpica Laura Flessel fica com o Desporto.

Ainda assim, os cargos principais foram atribuídos a homens. Homens como o conservador Bruno Le Maire, que foi o escolhido para a pasta da Economia, como o líder do partido do centro MoDem, François Bayrou, que vai estar à frente da Justiça ou o socialista Gérard Collomb, um dos primeiros socialistas a reiterar apoio a Macron, que foi nomeado para ministro do Interior. 

Outro socialista escolhido para o novo governo foi Jean-Yves Le Drian, que era ministro da Defesa e vai ter agora a pasta dos Negócios Estrangeiros e Europa.