O Papa Francisco alertou para o impacto da pandemia nas pessoas mais velhas, referindo-se a vidas “cruelmente descartadas”, na sua nova encíclica, ‘Fratelli Tutti’ (Todos Irmãos), que tem como temática central a fraternidade e amizade social.

“Vimos o que aconteceu com as pessoas de idade nalgumas partes do mundo por causa do coronavírus. Não deviam morrer assim. Na realidade, porém, tinha já acontecido algo semelhante devido às ondas de calor e noutras circunstâncias: cruelmente descartados”, denuncia, num texto divulgado pelo Vaticano e publicado pela agência Ecclesia.

O Papa admite que a “tragédia global” da covid-19 trouxe a consciência de que toda a humanidade “viaja no mesmo barco”, fazendo cair as “múltiplas máscaras”, mas revelou uma incapacidade de atuação conjunta.

“A Covid-19 deixou a descoberto as nossas falsas seguranças. Por cima das várias respostas que deram os diferentes países, ficou evidente a incapacidade de agir em conjunto”, afirmou.

Francisco espera também que a resposta à crise sanitária não conduza a um aumento do “consumismo febril” e de “novas formas de autoproteção egoísta”.

Referindo-se aos meses de confinamento devido à pandemia, o Papa lamentou que apesar de muitas pessoas viverem “hiperconectadas” se tenha verificado uma “fragmentação” que tornou mais difícil resolver problemas que afetam todos.

Nova encíclica papal critica reacendimento de populismos, racismo e discursos de ódio

O Papa Francisco criticou na sua nova encíclica ‘Fratelli Tutti’ (Todos Irmãos) o reacendimento de populismos, racismo e discursos de ódio, lamentando a perda de “sentido social” e o retrocesso histórico que o mundo está a viver.

“A história dá sinais de regressão. Reacendem-se conflitos anacrónicos que se consideravam superados, ressurgem nacionalismos fechados, exacerbados, ressentidos e agressivos”, escreve Francisco no texto divulgado pelo Vaticano e publicado pela agência Ecclesia.

Naquele que é o primeiro documento do género em cinco anos, o Papa Francisco identifica o surgimento de “novas formas de egoísmo e de perda do sentido social mascaradas por uma suposta defesa dos interesses nacionais”.

A encíclica associa os discursos de ódio a regimes políticos populistas e a “abordagens económico-liberais”, que defendem a necessidade de “evitar a todo o custo a chegada de pessoas migrantes”.

Sobre o racismo, Francisco diz ser um “vírus que muda facilmente” e “está sempre à espreita”, em “formas de nacionalismo fechado e violento, atitudes xenófobas, desprezo e até maus-tratos”.

Essas expressões devem envergonhar a todos, porque põem a descoberto o quão pouco a sociedade evoluiu de facto e que esses avanços não estão garantidos, considera.

Por isso, exorta os países a abandonarem o “desejo de domínio sobre os outros” e a adotarem uma política “ao serviço do verdadeiro bem comum”, afirmando que os responsáveis políticos se devem preocupar mais em “encontrar uma solução eficaz” para a exclusão social e económica do que com as sondagens.

O Papa defende ainda que o “desprezo pelos vulneráveis” pode esconder-se em formas populistas que, “demagogicamente, se servem deles para os seus fins”, ou em formas liberais “ao serviço dos interesses económicos dos poderosos”, e alerta para a diferença entre populismo e popular.

Francisco considera essencial pensar a participação social, política e económica, de forma a incluírem movimentos populares e lamenta sobretudo a “intolerância e o desprezo perante as culturas populares indígenas”.

Referindo-se especificamente às plataformas digitais e redes sociais, mostra-se preocupado com as manifestações de ódio e de destruição aí propagadas, e com o visível aumento de “formas insólitas de agressividade, com insultos, impropérios, difamação, afrontas verbais” até destruir a imagem do outro.

O texto realça que a conexão digital pode “isolar do mundo”, alimenta a divulgação e discussões em torno de ‘fake news’ e aniquila a “capacidade de respeitar o ponto de vista do outro”, um pressuposto do “diálogo social autêntico”.

A nova encíclica papal, intitulada 'Fratelli Tutti', que se dedica à fraternidade e amizade social, foi hoje apresentada pelo Papa Francisco no Vaticano, após a oração do Ângelus.

'Fratelli tutti' é a terceira encíclica do pontificado do Papa Francisco, após ‘Lumen Fidei’(A luz da fé), em 2013, e ‘Laudato si’, em 2015, sobre a ecologia integral.

No sábado, Francisco assinou junto ao túmulo de Francisco de Assis a nova encíclica, o 299.º documento do género na história da Igreja Católica.

O antecessor de Francisco publicou três encíclicas, no seu pontificado (2005-2013); antes de Bento XVI, João Paulo II assinou 14 encíclicas, entre 1979 e 2003.

Segundo a agência Ecclesia, a encíclica – tradicionalmente assinada no Vaticano – é o grau máximo das cartas que um Papa escreve e a expressão ‘Fratelli Tutti‘ remete para os escritos de São Francisco de Assis, o religioso que inspirou o líder dos católicos na escolha do seu nome.

Marcelo elogia "coragem ilimitada" 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou hoje a encíclica papal "Todos Irmãos", considerando que expressa "um poder mobilizador" como nenhum outro documento do Papa Francisco e que "é de uma coragem ilimitada".

O chefe de Estado, católico praticante, comentou esta nova encíclica do Papa Francisco, hoje divulgada, num texto de opinião publicado no jornal digital 7 Margens, dirigido por António Marujo.

"A encíclica papal, hoje universalmente divulgada, é um grito brutal e, ao mesmo tempo, a expressão de um poder mobilizador como nenhum dos sucessivos documentos do Papa Francisco. Em duas palavras, de uma coragem ilimitada", escreve Marcelo Rebelo de Sousa.

No seu entender, esta carta circular do Papa, com o título em italiano "Fratelli Tutti", constitui um "grito brutal, ao tomar a inspiração de um encontro com um irmão muçulmano proeminente, ao evocar o exemplo de S. Francisco de Assis e o espírito franciscano, ao recordar a parábola do bom samaritano".

"Mas, em especial, ao denunciar as misérias, as injustiças, as prepotências, os egoísmos, os isolacionismos, as explorações, os individualismos desumanizadores, os populismos fechados e redutores, as barreiras intoleráveis aos direitos das pessoas e dos povos, às migrações, a incompreensão do mundo do trabalho e dos trabalhadores", considera.

Segundo o Presidente da República, o "poder mobilizador" desta encíclica resulta de nela se "apelar à esperança e à luta pela paz contra a guerra, pelo diálogo contra o monólogo, pela globalização com alma contra a globalização dos interesses e dos poderosos, pela convergência entre religiões contra o choque entre culturas e civilizações", e também de se "juntar S. Francisco de Assis a outras figuras, essas contemporâneas, como Gandhi, Luther King ou Desmond Tutu".

Marcelo Rebelo de Sousa descreve-a como uma mensagem que "arranca da fé cristã, mas se abre a todas as militâncias conscientes dos riscos do tempo presente, no mundo como nas mais diversas nações que o compõem", e que por isso é de uma "coragem ilimitada".

"Coragem que implica que o testemunho dos crentes não seja matéria privada, mas de intervenção pública, que tenham o dever de intervir para provocar ou apoiar a mudança num sentido da solidariedade ou, como diz, da amizade social", acrescenta.

Para o chefe de Estado, esta terceira encíclica do papa Francisco "traduz muito do que de mais prospetivo e inovador houve no Concílio Vaticano II [1962-65] e é um sinal de que a Igreja Católica não se acomoda, não transige com as modas de fechamento e de egocentrismo destes tempos, antes segue a linha da mensagem radical do evangelho da opção preferencial pelos deserdados na economia, como na sociedade, como na política".

/ AM