Um tribunal norte-americano declarou um casal que vivia no norte do Texas culpado de escravizar uma jovem durante 16 anos, sendo que um dos elementos é filho do primeiro Presidente da Guiné-Conacri (1958-1984).

Mohamed Toure e a sua esposa, Denise Cros-Toure, enfrentam até 20 anos de prisão, mas a sentença não foi para já definida.

O casal, que habitava em Southlake, Texas, foi acusado de trazer a jovem, então com cinco anos, da sua aldeia rural na Guiné-Conacri em 2000 e de a forçar a executar trabalhos forçados domésticos sem remuneração durante anos.

A vítima teve que "cozinhar, limpar, lavar a roupa, jardinar, pintar" e cuidar dos cinco filhos do casal, segundo o Departamento de Justiça dos EUA.

O casal, acusado de a isolar da família, terá cometido abusos físicos e psicológicos sobre a jovem, a quem confiscaram o passaporte, que permaneceu ilegalmente nos Estados Unidos a partir do momento em que o seu visto expirou.

As autoridades começaram a investigar o caso depois da vítima ter conseguido fugir da casa do casal em 2016, com ajuda de ex-vizinhos.

Os advogados de defesa disseram que iriam apelar do veredito.