Uma eslovena de 22 anos foi condenada por fraude, depois de o tribunal concluir que ela cortou a própria mão para receber uma indemnização do seguro. Julija Adlesic tinha feito cinco apólices de seguro no ano anterior ao suposto acidente que a fez ficar sem mão.

Julija alega que se tratou, de facto, de um acidente que aconteceu enquanto cortava madeira.

O tribunal de Ljubljana (capital da Eslovénia) considerou que se tratou de um esquema para lucrar dinheiro ilegalmente através de indemnizações. O certo é que ela conseguiu com o alegado acidente um total de um milhão de dólares (um pouco menos de 850 mil euros) em indemnizações pagas pelas várias seguradoras.

Agora, Julija foi considerada culpada de fraude e condenada a dois anos de cadeia. O namorado também estava acusado de participar no esquema e foi condenado a três anos de prisão.

De acordo com a BBC, que relata a história, o caso remonta a 2019. Julija e vários parentes foram detidos, depois de ela ter dado entrada no hospital com a mão cortada acima do pulso.

Um dos factos que levou o tribunal a condená-los foi terem deixado propositadamente para trás a mão decepada, em vez de a terem levado para o hospital, para que fosse tentada uma cirurgia de reconstrução. Diz o tribunal que a intenção de ambos era que a deficiência se tornasse permanente, de modo a que a indemnização fosse mais elevada. Contudo, as autoridades recuperaram a mão a tempo de a unir de volta ao braço.

Outro pormenor que acabou por incriminar o casal foi o recurso à internet para fazerem pesquisas sobre próteses de mãos, no dia anterior ao suposto acidente.

O sogro da jovem também foi condenado, porém com pena suspensa de um ano. Ele estava acusado de ter sido o autor do corte da mão da nora, mas sempre negou o facto em tribunal.

Se tivessem tido sucesso no esquema, o casal teria recebido mais de meio milhão de euros de uma vez e Julija ficaria a receber ainda um rendimento mensal vitalício.

Manuela Micael