Exilado, com mandado de prisão, e de novo indicado para presidir ao governo catalão, após as eleições de dezembro, Carles Puigdemont enviou uma carta ao recém-eleito presidente do novo parlamento. Pede a Roger Torrent, com quem já se encontrou em Bruxelas, que arranje condições para ser empossado, terça-feira, dia 29 de janeiro, em Barcelona.

O direito de participar nos debates e nas votações da sessão plenária" e o gozo de "imunidade com o efeito concreto de que não pode ser detido se não for em flagrante delito" são argumentos invocados por Puigdemont na carta que tornou pública através da rede Twitter.

Puigdemont realça ainda que pede ajuda a Roger Torrent, devido às "atuações judiciais e governamentais do Estado criadas para obstruir o exercício" do seu "mandato como deputado e candidato à presidência da Generalitat e particularmente para que possa estar presencialmente na sua investidura".

A sessão de investidura está marcada para terça-feira, 29 de janeiro. Mas o Constitucional espanhol já decidiu que o novo presidente da Catalunha não pode ser empossado por vídeoconferência, nem ser substituído na posse por outro deputado, nem aparecer de surpresa sem se submeter à Justiça. Que o que prender.

"Gato e rato"

Supostamente em Bruxelas, onde se refugiou para evitar ser detido, o catalão Puigdemont tem também usado a internet para dara  entender que pode estar a caminho de Barcelona, para aparecer à socapa no parlamento e assumir o cargo de presidente.

Uma série de publicações nas chamadas redes sociais tem intrigado os espanhóis e catalães, das quais o jornal El Mundo tem dado nota. A começar com uma foto na conta de Instagram do prórpio Puigdemont, mostrando a avenida Picaso, em Barcelona, uma das artérias de acesso ao parlamento regional.

Além do Instagram de Puigdemont, a imprensa dá ainda conta de publicações sucessivas do deputado Ferran Civit, eleito pela Esquerda Republicana da Catalunha, que viajou para a Bélgica na quarta-feira e estará de regresso esta segunda a Barcelona.

O deputado Ferran Civit tem publicado no Twitter que está de volta, de carro, e que leva companhia consigo até Barcelona. Sugerindo que é mesmo o designado e antes destituído e exilado presidente catalão, Carles Puigdemont.

Começámos a operação de regresso bem carregados desde a Bélgica. Esperamos que não nos intercetem", começou por escrever o deputado, chegando a publicar uma foto da nuca de um passageiro, com um corte de cabelo que o jornal El Mundo considera semelhante ao de Puigdemont.

Constitucional espanhol analisa alegações na terça-feira

O Tribunal Constitucional espanhol vai reunir-se na terça-feira para analisar o pedido de Carles Puigdemont para que fique sem efeito a resolução que suspendeu preventivamente a sua investidura como presidente do Governo regional da Catalunha.

Segundo informou o Tribunal Constitucional, o plenário vai reunir-se para analisar as alegações apresentadas esta segunda-feira por Puigdemont e os deputados eleitos pelo movimento independentista Juntos pela Catalunha.

No seu documento, pedem que o Tribunal Constitucional deixe sem efeito a resolução com que, no passado dia 27 de janeiro, o plenário acordou a suspensão preventiva da investidura de Puigdemont como presidente da Generalitat (governo regional) se as condições indicadas nessa resolução não forem cumpridas.

O Tribunal Constitucional de Espanha decidiu, por unanimidade, suspender a investidura à distância de Carles Puigdemont como presidente do governo regional da Catalunha.

O tribunal determinou ainda que o discurso a pedir o apoio dos deputados só conta se for feito presencialmente no parlamento em Barcelona.

Paulo Delgado / com Lusa