A erupção vulcânica em La Palma pode durar entre "várias semanas a meses". Quem o diz é o diretor do Instituto Vulcanológico das Canárias, Nemedio Pérez, em entrevista à Cadena Ser.

Segundo o responsável, a duração da erupção do Cumbre Vieja depende da quantidade de magma que ficou no "reservatório" do vulcão, que estava adormecido desde 1971, começando a verificar-se uma forte atividade sísmica nas últimas semanas, que acabou por levar ao cenário que se verifica atualmente.

A bolsa [de magma] pode estar a três ou cinco quilómetros de profundidade, conectada com uma outra bolsa a 20 ou 30 quilómetros, pelo que a retroalimentação da mais profunda pode fazer com que a erupção se alargue", explicou Nemedio Pérez.

Desta forma, é necessário registar a medição das emissões de dióxido de enxofre, calculadas entre seis mil a nove mil toneladas só no primeiro dia, o que é "uma quantidade razoável".

Já vimos maiores, e uma tendência decrescente será sinal de que a erupção vai diminuir. Quando passarem 48 horas sem nenhuma emissão de dióxido de enxofre, podemos dar [a erupção] por terminada", acrescentou Nemedio Pérez.

Para Ángel Víctor Torres, presidente das Canárias, as próximas 48 horas serão suficientes para fazer uma previsão mais eficaz da duração da erupção, que por agora faz milhares de desalojados e já levou mesmo à destruição de várias casas.

Em conversa com a TVI24, o presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera confirmou esta situação, acrescentando que a lava avança a uma velocidade de 700 metros por hora, uma "velocidade para quem tem bens em risco".

Miguel Miranda diz que os impactos podem ser significativos, pelo que é necessário manter toda a atenção.

Até ao momento, e além dos vários desalojados, a erupção do Cumbre Vieja está a provocar vários constrangimentos, incluindo o cancelamento de voos de e para a ilha espanhola.

Em La Palma estão oito portugueses identificados pelas autoridades, sendo que nenhum deles sofreu ferimentos, segundo confirmou a secretária de Estado das Comunidades à TVI24.

António Guimarães