Dois mergulhadores espanhóis encontraram uma das maiores coleções de moedas romanas da Europa, na costa leste de Espanha.

Luis Lens e César Gimeno estavam a mergulhar ao largo da ilha de Portitxol, no dia 24 de agosto, quando encontraram oito moedas de ouro. Mais tarde, os arqueólogos regressaram aquele mesmo local e retiraram outras 45 do fundo do mar.

Os cientistas do Instituto de Arqueologia e Património Histórico da Universidade de Alicante analisaram então as relíquias, datando-as entre o final do século IV e o início do século V.

As moedas estavam tão bem conservadas, que foi possível identificar a que reinados pertenciam. Três moedas datavam ao reinado de Valentiniano I, sete de Valentiniano II, 15 do reinado de Teodósio, 17 do período de Arcádio e dez de Honório. Os arqueólogos ainda não conseguiram identificar o período de outras três moedas.

Jaime Molina Vidal, professor de história antiga na Universidade de Alicante, assegurou que esta é uma das maiores coleções de moedas romanas da Europa.

É uma descoberta muito significativa. É enormemente valiosa. Estamos na presença de um fantástico documento arqueológico da época em que, neste caso, os Alanos chegaram", afirmou o professor à CNN.

A quantia foi provavelmente escondida por um proprietário rico, que queria proteger parte do seu dinheiro dos bárbaros, que invadiram e saquearam o Império Romano ocidental na altura.

As moedas irão ser restauradas e posteriormente exibidas no Museu Arqueológico e Etnográfico Soler Blasco, em Xàbia.

A baía de Portitxol é um região, particularmente, conhecida pelos achados arqueológicos, como âncoras, ânforas, restos de cerâmica e outros artefactos.

Jaime Molina Vidal e a sua equipa planeiam realizar mais escavações no local para determinar se existem navios afundados nas proximidades.

Redação / IC