O ministro dos Transportes espanhol anunciou este domingo a saída, pelas 14:00 locais (13:00 em Lisboa), dos primeiros comboios de Madrid, com destino a Santander, Málaga e Ferrol, esperando abrir o aeroporto de Barajas, “muito gradualmente”, durante a tarde.

O anúncio foi feito por José Luis Àbalos, em conferência de imprensa, após o final da reunião com várias entidades ligadas à Proteção Civil para avaliar os efeitos da tempestade Filomena, presidida pelo chefe do executivo, Pedro Sánchez, na qual também esteve o ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska.

Segundo a agência de notícias espanhola Efe, as linhas de alta velocidade estão livres, exceto cerca de 200 quilómetros, a maioria na província de Saragoça, onde mais neve caiu nas últimas horas.

Já o aeroporto de Madrid - Barajas começará a operar ao longo da tarde, depois de retirada a neve das pistas, embora as operações comecem “muito gradualmente”.

Ábalos explicou que, por enquanto, os aviões desviados na sexta-feira e no sábado, devido ao nevão que se abateu sobre a capital espanhola, vão regressar às respetivas bases e acontecerá o mesmo com o resto das operações, mas de forma progressiva.

Apesar disso, o titular da pasta dos Transportes pediu aos passageiros que se informem primeiro sobre os voos programados e que contactem as companhias aéreas.

Trezentos dos mais de 11 mil camiões retidos devido à neve em Espanha voltaram às estradas

Trezentos dos mais de 11 mil camiões que ficaram retidos em Espanha devido ao nevão provocado pela tempestade Filomena começaram hoje a regressar “de forma ordenada” às estradas, indicou a Direção-Geral de Trânsito.

Segundo aquele organismo, cerca de 11.300 camiões ficaram retidos em 127 parques devido ao nevão que caiu de sexta-feira para sábado.

Os primeiros camiões a regressar às estradas estavam parados na zona de Miranda de Ebro, em Burgos, e poderão agora prosseguir viagem para Portugal, através da AP - 6, pela Galiza.

A Direção-Geral de Trânsito refere ainda que a partida dos camiões está a ser feita “pouco a pouco, pois, embora as autoestradas sejam boas”, há que assegurar que estão transitáveis.

O uso de correntes é ainda obrigatório, recorda o organismo espanhol, que alerta também para a possibilidade de se voltar a formar gelo nas estradas devido às previsão de baixa de temperatura.

Em Madrid, que continua hoje coberta por um manto espesso de neve que paralisou toda a cidade, a presidente da comunidade autónoma, Isabel Diaz Ayuso, afirmou que a prioridade das autoridades é garantir o abastecimento dos hospitais e limpar as estradas secundárias, assim como facilitar o acesso aos supermercados.

As autoridades querem “assegurar o acesso e fornecimentos de hospitais”, tanto de vacinas como de alimentos, ou de instrumentos e materiais necessários, nomeadamente oxigénio, indicou, em declarações aos jornalistas no final de uma reunião com a Proteção Civil.

A presidente da comunidade autónoma de Madrid referiu também que uma das principais preocupações agora é a formação de gelo, apelando à colaboração dos cidadãos para remover a neve das portas e rampas de acesso a garagens.

As escolas vão estar fechadas em Madrid na segunda e na terça-feira e Isabel Diaz Ayuso já disse que vai ser avaliada no início da semana a possibilidade de vários serviços públicos se manterem encerrados mais alguns dias.

Vários supermercados estiveram encerrados no fim de semana, o que levou à formação de longas filas no exterior dos estabelecimentos que conseguiram abrir.

/ LF