os dois reféns japoneses raptados pelo Estado Islâmico











«Eu precisava de ir lá pelo menos uma vez, falar com os meus contactos cara a cara e ver qual é a situação. Isto é o necessário», disse na mesma entrevista.




«O que quer que aconteça agora é minha a responsabilidade», disse Goto num curto vídeo gravado antes de partir para Raqqa, a atual capital do Estado Islâmico.