Pelo menos 785 pessoas ligadas ao Estado Islâmico escaparam da prisão depois de um bombardeamento da Turquia no nordeste da Síria, este domingo. Este era um cenário temido pela comunidade internacional, até porque aquela era uma zona onde o Daesh tinha perdido influência. A notícia foi confirmada por oficiais da administração autónoma curda.

As notícias surgem depois do anúncio de Donald Trump de retirar perto de mil homens daquela zona de guerra "o mais depressa possível".

Os suspeitos estavam detidos na prisão de Ain Issa e acabaram por escapar com a ajuda de mercenários e cobertura aérea de aviões turcos, afirmou a administração curda. A fuga seria depois confirmada pelas Forças Democráticas da Síria (SDF).

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos afirma que alguns dos prisioneiros começaram a atacar os guardas prisionais assim que começou o bombardeamento. Citado pelo New York Times, um responsável turco afirma que a bandeira do Daesh foi içada entre a prisão de Ain Issa e a fronteira turca.