A administração do Presidente norte-americano, Joe Biden, mobilizou a Agência Federal de Gestão de Emergências para atender ao número crescente de menores migrantes que viajam sozinhos para a fronteira e entram ilegalmente nos EUA.

Segundo adianta a agência EFE, o chefe da imigração, o secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, revelou que a FEMA apoiará outros órgãos governamentais durante os próximos 90 dias para "receber, hospedar e transferir com segurança" os menores que chegarem à fronteira dos Estados Unidos com México.

Segundo dados publicados segunda-feira pelo The New York Times, 3.250 menores migrantes foram detidos nas últimas duas semanas na fronteira e encontram-se detidos em centros de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) que foram concebidos para acolher adultos, não propriamente crianças.

A legislação norte-americana estabelece que os menores podem permanecer no máximo três dias nessas instalações, mas depois devem-se dirigir aos abrigos do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), encarregados de entregá-los a um familiar ou responsável até o problema estar resolvido o caso de imigração clandestina.

Contudo, os centros do CBP estão tão desajustados que não há tempo suficiente para processar os menores e estes ficam detidos em média quatro dias, de acordo com documentos a que a cadeia de televisão CNN teve acesso.

No seu depoimento, Mayorkas reconheceu que as instalações do CBP “não são locais para crianças” e prometeu que os menores serão transferidos para centros designados expressamente para o efeito “o mais rapidamente possível”.

A administração norte-americana costuma pedir ajuda à FEMA em caso de desastres naturais, como, por exemplo, furacões, embora na presidência de Barack Obama (2009-2017) também tenha recorrido a essa agência em 2014, quando milhares de crianças, principalmente de El Salvador, Honduras e Guatemala alcançaram a fronteira com os EUA.

A chegada de migrantes e refugiados aos Estados Unidos explodiu nos últimos meses, pois muitos vêem em Biden uma figura mais condescendente do que o seu antecessor, Donald Trump (2017-2021), circunstância que também tem sido utilizada pelas redes de tráfico de pessoas fazer e aumentar o negócio.

Porém, a administração de Joe Biden repetiu insistentemente na mensagem de que a "fronteira está fechada" e pediu aos migrantes que não tentassem realizar a viagem clandestina para o norte, rumo aos EUA.

Ao mesmo tempo, os republicanos estão a usar essa questão para pressionar e criticar o arranque da administração de Biden no tratamento da questão da imigração ilegal.

Por exemplo, o governador do Texas, o republicano Greg Abbott, acusou Biden de ter causado uma "crise na fronteira" e até culpou os migrantes pelo aumento do número de infeções por covid-19 no seu Estado federado, algo que fez sem fornecer qualquer evidência ou prova cabal.

/ NM