Os procuradores de Massachusetts, Estados Unidos, deixaram cair a acusação de abuso sexual contra Kevin Spacey, depois de o jovem que apresentou queixa contra o ator ter recusado testemunhar sobre um telemóvel desaparecido que, alegadamente, continha informações que podiam comprovar a inocência de Spacey.

Este era o único caso que tinha chegado a tribunal nos EUA, depois de a carreira de Kevin Spacey ter colapsado na sequência de uma série de acusações de abuso e assédio sexual. Porém, sabe-se que a Scotland Yard está nesta altura a investigar várias denúncias de abusos de Spacey no Reino Unido e que o próprio ator já foi interrogado.

O episódio agora em causa nos EUA remonta a 2016 e tornou-se público em 2017, quando a mãe da alegada vítima divulgou que o filho fora alvo de Spacey quanto tinha 18 anos e trabalhava num bar. 

No início do mês de julho, o jovem foi obrigado a depor depois de dizer que tinha perdido o telemóvel que usara na noite do alegado abuso. A defesa queria o dispositivo para recuperar mensagens que teriam sido apagadas e que punham em causa a denúncia.

Ainda que o jovem tenha negado qualquer manipulação de provas, uma vez pressionado pela defesa de Spacey, que o relembrou que qualquer alteração dos indícios constituía crime, decidiu invocar a quinta emenda da Constituição dos Estados Unidos da América, que prevê, entre outros, o direito de um cidadão americano a não dizer nada que o possa incriminar. 

Perante a recusa do jovem em testemunhar, os procuradores pediram tempo ao juiz, tendo decidido na quarta-feira que, dadas as fragilidades na acusação, não iriam prosseguir com o caso em tribunal "devido a uma indisponibilidade da testemunha acusatória"

Em comunicado, os procuradores informaram que se reuniram com o jovem e o seu advogado no passado domingo e que lhes foi dito que, se ele não falasse em tribunal, não seria possível avançar. 

Mitchell Garabedian, advogado da alegada vítima, vincou apenas numa nota enviada à comunicação social que o jovem e a família tinham mostrado "uma enorme coragem sob circunstâncias difíceis".

Bárbara Cruz