Um bebé de sete meses terá morrido por desnutrição após a mãe da criança o ter obrigado a seguir uma dieta vegan por motivos religiosos.

A mãe, de 28 anos, declarou ter apenas seguido os mandamentos que constam na Bíblia, com o objetivo de o seu bebé não ser uma “criança gorda”.

O veganismo significa tudo na Bíblia", disse a mulher durante uma entrevista ao jornal New York Post em sua casa no bairro residencial de St. Albans, na cidade de Nova York.

A vítima foi encontrada inconsciente em outubro de 2019 pela polícia, depois de os agentes terem recebido uma chamada de emergência. 

A polícia de Nova York considerou o caso como um homicídio e disse que a criança perdeu a vida por não ter recebido os nutrientes suficientes. 

A mãe, que tem outros três filhos, não está acusada formalmente do crime, mas, segundo fontes policiais, já foi submetida a vários interrogatórios.

Foram quinze polícias contra mim ... levaram a minha filha em novembro, levaram-na uma semana depois" [da morte da criança], disse a suspeita ao jornal norte-americano.

"Por que estão a questionar aquilo que Deus faz?", questionou Carla, ao mesmo tempo que disse que a vítima foi alimentada com uma dieta vegan porque, "cada vez que tentávamos alimentá-lo com fórmulas, ele ficava com infeções na boca”.

Um dos outros filhos, uma menina de 2 anos, foi colocada sob a proteção do Departamento de Assuntos Sociais da autarquia de Nova York, considerando que poderia estar em perigo.

Eles levaram a minha filha, porque achavam que ela estava em risco de vida, pelo facto de o meu filho ter morrido", disse Carla.

A mulher defendeu, contudo, a comida que deu ao filho. "Ele não foi alimentado com porcarias. Ele não foi alimentado com fórmulas que contêm produtos químicos", disse, sublinhando que o filho também não recebeu as vacinas recomendadas.