O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden surgiu novamente em público para apelar à “paciência” dos eleitores, num momento caracterizado pelas iniciativas jurídicas de Trump na tentativa de parar a contagem dos votos.

Biden voltou a defender que "cada voto deve ser contado", mas sustentou a ideia que tem vindo a defender: "Quando a contagem terminar, eu e a senadora Harris vamos ser declarados como vencedores".

Nos Estados Unidos, o voto é sagrado, é como as pessoas desta nação expressam a sua vontade. E é a vontade dos eleitores, mais nada nem mais ninguém, que escolhe o presidente dos Estados Unidos”, disse, sublinhando que “cada boletim de voto deve ser contado.

Numa oposição às tentativas de o presidente incumbente de deixar de lado milhares de votos recebidos pelo correio, Biden afirma que “a democracia às vezes é complicada”.

Às vezes, também precisa de um pouco de paciência, mas essa paciência foi recompensada há mais de 240 anos por um sistema legislativo que tem sido a inveja do mundo. "Peço a todos que se mantenham calmos. O sistema está a funcionar, a contagem está a ser concluída e saberemos em breve o resultado das eleições", concluiu Joe Biden.

Depois de virar o estado de Wisconsin e de conseguir obter os 16 votos eleitorais do Michigan, Joe Biden está a seis delegados de ser o novo presidente dos Estados Unidos.

O vencedor das presidenciais norte-americanas (que é escolhido por voto indireto) tem de assegurar, no mínimo, 270 dos 538 delegados (uma maioria simples) que compõem o Colégio Eleitoral.