Os Estados Unidos atualizaram esta quarta-feira as recomendações de viagens ao estrangeiro, numa altura em que o país se continua a debater com a pandemia de covid-19, permanecendo no topo como o país com mais mortes e mais casos.

A administração norte-americana acrescentou 100 países ao "Nível 4: não viaje", que desaconselha vivamente todas as viagens aos países abrangidos. É o caso de Portugal, bem como de outros países europeus, como França e Alemanha, mas também de Canadá e México, vizinhos dos norte-americanos.

Esta atualização acontece depois de o Departamento de Estado ter anunciado que ia colocar o nível 4 para 80% do mundo. Agora, e quando ainda faltam algumas atualizações, são já mais de 130 os países a que o governo e as autoridades americanos desaconselham a viagem. 

Explica a administração americana que esta decisão não tem em conta a evolução da pandemia em certos casos (veja-se Portugal, onde a situação está controlada), mas faz parte de um "ajustamento", que foi aconselhado por parte do Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças.

Entre os poucos países que ficam um nível abaixo (Nível3: reconsidere a viagem) estão China ou Japão, por exemplo.

Segundo a agência Reuters, a grande razão para a atualização prende-se com a descoberta de novas variantes, pelo que os casos da Europa, Brasil, Índia e África do Sul são especialmente delicados.

Atualmente, o vermelho no mapa simboliza os países para onde não se pode viajar.

A título de curiosidade, apenas três países são considerados totalmente seguros para viagem: Butão, Nova Zelândia e Taiwan, que estão no "Nível 1: proceder normalmente".

Com mais de 568 mil mortos e quase 32 milhões de casos reportados, os Estados Unidos estão já numa fase diferente da pandemia. O sucesso na vacinação, que foi já alargada a toda a população adulta, faz com que o país tenha conseguido controlar a situação.

António Guimarães