Os EUA somaram 282 mortos por covid-19 nas últimas 24 horas e aproximam-se cada vez mais dos 200 mil óbitos desde o início da pandemia, liderando a estatística mundial com 20,7% das vitimas fatais.

Os Estados Unidos atingiram na segunda-feira 199.756 mortes das 962.232 contabilizadas em todo o mundo.

O país norte-americano soma agora 6,8 milhões de casos, uma lista que também lidera e na qual outros cinco países americanos estão entre os dez do mundo com mais contágios confirmados: Brasil (terceiro com 5,48 milhões), Peru (quinto com 768.895), Colômbia (sexto com 765.076), México (sétimo com 697.663) e Argentina (décimo com 631.365), segundo a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Apesar dos números que continuam a refletir um cenário de crise sanitária no continente americano há a registar alguns dados positivos, a começar pelos próprios Estados Unidos.

Na Florida, um dos focos da doença, as mortes caíram em média 74% entre a primeira semana de agosto e a primeira de setembro, enquanto as infeções também continuam a diminuir.

No estado de Nova Iorque, que foi o epicentro nacional da covid-19, há a registar apenas uma morte no domingo, o menor número desde março, embora o governador, André Cuomo, tenha afirmado que os bares e universidades "continuam a ser um problema" devido ao não cumprimento do uso de máscaras e do distanciamento social.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 961.531 mortos e mais de 31,1 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

/ CE