O ainda presidente dos Estados Unidos e candidato republicano a uma reeleição, Donald Trump, fez esta quinta-feira uma declaração ao país a partir da Casa Branca.

Numa nova referência a alegados esquemas fraudulentos nas eleições, o presidente em exercício afirmou que "se contarem os votos legais, eu ganho facilmente", naquela que diz ter sido uma declaração para "proteger a integridade" das eleições.

Se contarem os votos ilegais, eles podem tentar roubar-nos as eleições", acrescentou, numa clara alusão aos votos antecipados, que desde cedo têm sido criticados pelo lado republicano, sendo que esses votos estão a cair maioritariamente para Joe Biden.

Dando os exemplos de estados como Florida, Ohio ou Indiana, Donald Trump criticou as sondagens, afirmando que aquilo que era uma "grande derrota" se transformou em vitória.

As sondagens foram tão ridículas. Não houve nenhuma grande onda azul [cor democrata] como tinham previsto", referiu.

Em sentido contrário, o presidente dos Estados Unidos diz ter havido uma "grande onda vermelha".

Dois dias depois de ter começado a contagem de votos, os norte-americanos ainda esperam para saber quem vai liderar o país nos próximos quatro anos. Joe Biden lidera com 264 delegados, segundo a agência Associated Press, precisando de mais seis para chegar aos 270 que dão a presidência.

Nesta altura, e com os estados de Alasca (três delegados), Carolina do Norte (), Georgia, Nevada e Pensilvânia ainda em aberto, a corrida à Casa Branca mantém-se num impasse.

Depois de derrotas nos estados do Wisconsin e do Michigan, Donald Trump já anunciou que pretende recorrer ao Supremo Tribunal em caso de derrota. Desde então que o candidato republicano tem insinuado por várias vezes a existência de uma suposta fraude na contagem dos votos.

Veja também: Donald Trump pode mesmo ganhar a Casa Branca no Supremo Tribunal?

Já no fim do discurso, e numa nova alusão ao Supremo Tribunal, o ainda presidente dos Estados Unidos afirmou que vai recorrer "ao mais alto tribunal do país", ainda que tenha voltado a afirmar estar convicto que vai vencer.

Uma das maiores referências à fraude tem que ver com os boletins de voto antecipado, que têm sido maioritariamente atribuídos a Joe Biden, como aconteceu em estados como o Wisconsin ou o Michigan, onde Donald Trump estava claramente à frente até começar a contabilização desses votos. Agora, o republicano pode temer que o mesmo aconteça nos restantes estados, sendo que do lado democrata basta vencer um dos estados que não o Alasca para que Joe Biden obtenha os delegados necessários para a presidência.

Já tinha dito que os votos postais iam ser uma tragédia", atirou.

Donald Trump referiu inúmeras vezes que estava a ser "roubado" e que havia tentativas do Partido Democrata de adulterar a contagem dos boletins de voto para impedir a vitória republicana.

Contudo, durante o discurso do republicano não apresentou quaisquer evidências que sustentassem as acusações que fez.

O presidente dos Estados Unidos terminou a conferência de imprensa e abandonou o púlpito sem intenção de responder às questões que os jornalistas estavam a tentar fazer.

António Guimarães