Uma criança de oito anos e com necessidades especiais foi detida e algemada pela polícia numa escola de Cayo Hueso, no estado da Florida, Estados Unidos. A denúncia foi feita esta segunda-feira pelo advogado que assumiu a defesa do caso, Benjamin Crump, conhecido por aceitar casos de minorias, nomeadamente de afroamericanos, sendo, inclusivé, representante da família de George Floyd, que foi morto na sequência de uma violenta detenção.

O vídeo, filmado há dois anos, só foi divulgado agora, e acabou por ser partilhado nas redes sociais, o que gerou muita polémica.

Benjamin Crump afirmou que vai, em representação da mãe do menor, apresentar uma queixa contra a cidade de Cayo Hueso, o distrito escolar do condado de Monroe e os agentes responsáveis pela detenção.

Apesar de não significar qualquer ameaça para os agentes ou para os funcionários da escola, o menor foi colocado na parte de trás do carro da polícia, levado para um centro de detenção e acusado de agressão", acrescenta o advogado.

O advogado referiu também que, apesar de o menino estar num programa individualizado de educação, porque precisa de necessidades especiais, foi deixado a cargo de uma professora substituta que "não sabia ou não queria saber" das suas necessidades.

Segundo Benjamin Crump, a mulher terá forçado a criança a deslocar-se para onde ela queria, tendo o menor respondido com agressividade. A docente chamou a polícia, o que acabou por resultar na cena que se pode ver no vídeo acima.

Este é um exemplo muito angustiante de como o nosso sistema e as nossas políticas educativas tratam as crianças como criminosos. Se for condenado, vai ser um menino condenado aos oito anos", referiu o advogado. 

António Guimarães