O filho de uma juíza federal dos Estados Unidos foi morto a tiro este domingo, depois de um ataque à porta de casa da família, em North Brunswick, no estado de Nova Jérsia. 

O marido da juíza Esther Salas, o advogado Mark Anderl, também ficou ferido no ataque, que ocorreu este domingo. O homem, de 63 anos, está internado e a sua situação é estável.

A juíza Esther Salas, a primeira mulher hispânica no tribunal federal de Nova Jérsia, saiu ilesa do ataque.

De acordo com a imprensa norte-americana, o alerta foi dado às autoridades pelas 17:00.

Tudo aconteceu quando o filho da juíza, Daniel Anderl, de 20 anos, abriu a porta de casa, com o pai atrás de si. Mal o jovem abriu a porta, o atirador começou os disparos, tendo depois fugido do local.

Segundo testemunhas, o atirador, que entretanto morreu com ferimentos autoinfligidos, estava vestido com o uniforme da FedEx, uma empresa de distribuição de encomendas. Ainda não é claro se o homem era funcionário da FedEx ou se estava a fazer-se passar por trabalhador da mesma.

Atualmente, a juíza Salas tem a seu cargo o caso das contas bancárias de Jeffrey Epstein no Deutsche Bank. Recorde-se que investidores do banco processaram o Deutsche Bank e o seu diretor Christian Sewing, alegando que a instituição fez falsas declarações sobre as suas políticas contra a lavagem de dinheiro e defendendo ainda que não foram monitorizados os clientes de alto risco como o milionário Jeffrey Epstein, acusado de tráfico e abuso sexual de menores. 

Fontes próximas de Salas confirmaram que a juíza recebeu ameaças de mortes no passado e que a magistrada manifestava preocupação em ficar com processos de alto perfil.

Estas ameaças são uma das linhas de investigação que está em cima da mesa, mas o FBI não descarta que o motivo do ataque possa estar ligado ao trabalho de advogado do marido da juíza.

Sofia Santana