A polícia do estado da Florida, nos Estados Unidos da América, prendeu um homem que se julgava estar morto há três anos. A detenção ocorreu na madrugada da passada sexta-feira, dia 3 de maio, na ilha de Key West.

Em resposta a um alerta, as forças de segurança foram ao local, onde encontraram uma caravana destrancada, com um homem nas imediações. Ao pedirem a identificação ao indivíduo, este disse-lhes que se chamava William Wallace Littlejohn e que não tinha documento de identificação. Como não encontraram nenhum cidadão com esse nome, os agentes decidiram levar o homem para a esquadra.

O relatório da polícia revela que vários documentos, incluindo um passaporte, foram encontrados na roulotte, todos com aparência de serem falsos.

Perante a situação, os oficiais de serviço contactaram o FBI.

Pouco depois de ser levado para a esquadra, o sujeito foi finalmente identificado como Michael Patrick Manning, um homem com 58 anos procurado pelas autoridades da California pelo abuso sexual de uma menina que teria entre 12 e 14 anos e pela partilha de pornografia infantil.

Segundo as autoridades californianas, Manning foi acusado em 2016, não tendo comparecido às audiências.

Na altura, alugou um carro, que viria a ser encontrado na ponte Golden Gate, em São Francisco, com uma nota de suicídio.

O departamento de polícia da cidade de Chico, que estava responsável pela investigação do caso, emitiu uma nota de explicação dos acontecimentos, confirmando que em abril recebeu informações que indicavam que Manning poderia estar na Florida.

Além das acusações que enfrenta na California, Manning foi agora acusado de falsificação de documentos no estado da Florida.

Desaparecido em 2016, o suspeito foi encontrado a mais de cinco mil quilómetros do seu último paradeiro conhecido.