O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou esta segunda-feira o estado de emergência para os estados da Geórgia, Carolina do Norte e Carolina do Sul, na iminência da chegada do furacão Dorian, que segundo os últimos boletins baixou para a categoria 4. Donald Trump aprovou ainda a declaração de emergência para o estado da Florida na sexta-feira, devido à proximidade do furação, que na ocasião atingia a categoria 5, a máxima na escala Saffir-Simpson.

A declaração do estado de emergência facilita a disponibilização de fundos governamentais para desastres. Com esta medida, o presidente autoriza o departamento de Segurança Nacional e a Agência Federal de Gestão de Emergências a coordenar todos os esforços de assistência para desastres, com o objetivo de minorar as consequências da intempérie.

De acordo com o último boletim do Centro Nacional de Furações (NHC), o Dorian baixou hoje para a categoria 4 da escala Saffir-Simpson, após uma redução dos seus ventos máximos para 155 milhas por hora (250 quilómetros por hora), enquanto permanece sobre o norte do arquipélago das Bahamas. O NHC prevê a chegada do Dorian a território norte-americano nesta quarta-feira, quando atingirem o estado da Geórgia.

O boletim, emitido às 11:00 locais (16:00 em Lisboa) indica que o Doriam reduziu ligeiramente a intensidade dos seus ventos nas últimas horas, ao perder 10 milhas por hora (16 quilómetros por hora).

No domingo, a intensidade dos seus ventos alcançou os 295 quilómetros por hora, situando o furacão Dorian como o segundo mais poderoso desde que existem registos, a par do “Labor Day” (1935), Gilbert (1988) e Wilma (2005), e apenas superado pelo Allen, que em 1980 registou 305 quilómetros por hora.

O Dorian está a deslocar-se a uma velocidade de dois quilómetros por hora, e permanece sobre as Bahamas, onde continua a provocar avultados estragos. O boletim do NHC indicou que o furacão permanecia a cerca de 50 quilómetros da cidade de Freeport, a principal cidade deste arquipélago, e a 180 quilómetros a leste de West Palm Beach, no estado norte-americano da Florida.

Os peritos esperam que o Dorian continue a aproximar-se lentamente da costa da Florida, apesar de não a atingir diretamente, devido a uma rotação gradual para noroeste na terça-feira.

O furacão deverá mover-se perigosamente para perto da costa leste da Florida até quarta-feira durante a noite e de seguida para perto das costas da Geórgia e Carolina do Sul na noite de quarta-feira e na quinta-feira”, assinalam os peritos do NHC, com sede em Miami.

Apesar de se prever um enfraquecimento gradual, espera-se que o Dorian permanece um poderoso furacão durante os dois próximos dias, e quando se dirige em direção a norte. Recorde-se que o furacão Dorian chegou a atingir a categoria 5 na escala Saffir-Simpson, a máxima para este tipo de tempestades.

Uma equipa da força aérea dos Estados Unidos que se dedica ao acompanhamento de tempestades deste género partilhou imagens no meio do furacão Dorian.

Dorian afeta as ligações áereas

Mais de mil voos foram cancelados em todos os Estados Unidos devido à aproximação do furacão Dorian. A American Airlines, uma da maiores companhias aéreas dos Estados Unidos, já foi obrigada a cancelar mais de 350 voos até ao dia 5 de setembro. 

Mas a transportadora aérea mais afetada foi a Spirit Airlines, que já cancelou 37% de todos os seus voos, perto de 270 ligações. Esta companhia opera sobretudo na região da Florida, que tem vários aeroportos encerrados devido à tempestade.

O aeroporto internacional de Orlando e o aeroporto de Fort Lauderdale, em Miami, são dos mais afetados pelo furacão Dorian.