Os outros três polícias de Minneapolis envolvidos na detenção e na morte de George Floyd também vão ser acusados pela procuradoria-geral do Minnesota. A informação foi divulgada esta quarta-feira pela senadora democrata Amy Klobuchar.

A senadora do Minnesota disse ainda que a acusação contra Derek Chauvin, o agente da polícia que foi filmado a asfixiar o afro-americano, vai ser agravada para homicídio em segundo grau - antes era de homicídio em terceiro grau. 

A família de Floyd já tinha pedido que os outros três agentes fossem acusados, tal como Chauvin: "Queremos uma acusação de homicídio voluntário premeditado e queremos que os restantes agentes sejam detidos". Algo que também vinha a ser reclamado pelos manifestantes que têm protestado contra a violência policial e contra o racismo em várias cidades norte-americanas.

O afroamericano George Floyd, de 46 anos, morreu asfixiado às mãos do agente Derek Chauvin, depois de ter sido detido sob suspeita de ter tentado usar uma nota falsa de 20 dólares (18 euros) num supermercado de Minneapolis.

Nos vídeos feitos por transeuntes e difundidos online é visível que Chauvin tem um joelho sobre o pescoço de Floyd durante vários minutos e ouve-se Floyd a suplicar: "Não consigo respirar".

Os quatro agentes foram despedidos da força policial. 

Deade a morte de George Floyd, os Estados Unidos têm vivido dias de grandes manifestações, que começaram em Minneapolis, mas que depressa alastraram a vários Estados norte-americanos.

Os protestos têm sido marcados por uma onda de grande violência, com pilhagens, incêndios e confrontos entre manifestantes e agentes da polícia.

As manifestações atravessaram fronteiras e continentes e, em várias cidades europeias, empunharam-se cartazes com os slogans “As Vidas Negras Importam” e “Não consigo respirar”.

Sofia Santana