Pessoas a beber água das sanitas, mulheres que não tomam banho há 15 dias e que são insultadas por agentes da polícia, crianças afastadas das mães, sem acesso a sabonetes ou pasta de dentes. Este foi o cenário que a congressista democrata Alexandria Ocasio-Cortez disse ter encontrado nos centros de detenção de imigrantes que visitou no Texas, esta segunda-feira. Denúncias que voltam a colocar a administração de Donald Trump debaixo de fogo no que toca às suas políticas sobre a imigração.

Foi esta segunda-feira que Ocasio-Cortez e outros congressistas democratas visitaram centros de detenção de imigrantes em El Paso, no Texas, e o que descreveram nas redes sociais está a dar um novo impulso aos relatos de abusos que já existiam.

 Agora vi o interior das instalações. Não são só as crianças. É toda a gente. Pessoas que bebem água das sanitas, agentes que se riem à frente de membros do Congresso. Queixei-me aos seus superiores. Disseram que os ‘agentes estão sob stress e reagem assim às vezes’. Sem serem responsabilizados”, escreveu a congressista no Twitter.

Segundo Ocasio-Cortez, uma das mulheres detidas descreveu o tratamento dos polícias como “guerra psicológica”, afirmando que os agentes acordam as imigrantes a horas estranhas e insultam-nas sem qualquer razão.

Há mães afastadas dos filhos, mulheres com o cabelo a cair, que não tomam banho há 15 dias, escreveu a democrata. Noutro centro, acrescentou, as crianças não têm acesso a sabonetes nem a pasta de dentes.

A denúncia de que há pessoas a beber água pela sanita foi corroborada pela congressista Judy Chu, que revelou o testemunho de uma imigrante.

’Se queres água bebe da sanita’. Foi o que um agente disse a uma mulher que encontrámos nesta viagem. Estes são os mesmos agentes que ameaçaram atirar burritos a membros do Congresso. É preciso haver mudanças”.

Ao falar nos "agentes que ameaçaram atirar burritos a membros do Congresso", Judy Chu referia-se à investigação divulgada pelo portal ProPublica que deu conta de que há um grupo fechado no Facebook no qual agentes da polícia da fronteira trocam piadas sobre imigrantes e comentários depreciativos sobre congressistas com origem latina.

A reportagem deu o exemplo de uma publicação em que surgia uma montagem com Trump a agarrar a cabeça de Ocasio-Cortez com a legenda “Atira um burrito a essas p****”.

Para a congressista Madeleine Dean, não há dúvidas de que estamos perante uma “crise de direitos humanos”. A democrata vincou que as condições nestes centros “são piores do que o que se imagina”

15 mulheres com os seus 50, 60 anos a dormir numa pequena cela, sem água corrente. Semanas sem tomar banho. Todas separadas das suas famílias. Isto é uma crise de direitos humanos.”

Apesar de os agentes fronteiriços terem proibido que os democratas entrassem nas instalações com telemóveis, o congressista Joaquin Castro partilhou no Twitter imagens das mulheres com quem o grupo falou. 

Depois de relatar a sua experiência no Twitter, Ocasio-Cortez afirmou, em declarações à CNN, que não se sentiu segura durante estas ações e que a frustração foi crescendo em si à medida que ia visitando as diferentes instalações. O porta-voz da congressista revelou que ela até gritou com agentes que tentaram tirar selfies com ela antes de entrar num dos centros.

O responsável pelas Operações na Fronteira, Brian Hasting, já veio negar as acusações de que há imigrantes a beber água das sanitas. "Isso é completamente falso", vincou.

O certo é que as denúncias dos democratas voltaram a deixar debaixo de fogo a administração de Donald Trump, cujas políticas de imigração têm sido muito criticadas.

Na semana passada, a fotografia de um pai e da sua filha, de apenas 23 meses, mortos por afogamento ao tentar passar a fronteira entre o México e os EUA chocou o mundo, mostrando o desespero de dezenas de milhares de migrantes.