O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu hoje ao Departamento do Tesouro norte-americano que não "ataque" os seus familiares com sanções económicas, quando ele é o objetivo.

Vocês querem atacar-me, ataquem-me a mim, mas não se metam com a (minha) família. Como não podem com (Nicolás) Maduro, vão se meter com Cília (Flores, a sua mulher), mas tão pouco poderão com a Cília", disse.

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Nicolás Maduro frisou ainda, num encontro com colombianos radicados na Venezuela, que as novas sanções são "inúteis e ilegais" e que o "único delito" de Cília Flores é o de ser a sua mulher.

Hoje, o Governo dos EUA, lançou um decreto, nada mais e nada menos, que contra a primeira dama da Venezuela (...) Estou rodeado de sancionados. Obrigado, Donald Trump, por rodear-me de dignidade. Isso é uma medalha, aqui. Cada sanção é uma condecoração para os revolucionários", disse.

Os Estados Unidos impuseram hoje sanções financeiras contra várias figuras muito próximas do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, incluindo a própria mulher do chefe de Estado venezuelano.

As sanções anunciadas hoje pelo Departamento do Tesouro norte-americano (equivalente ao Ministério das Finanças) visam quatro pessoas, incluindo a vice-Presidente venezuelana, Delcy Rodriguez.

O ministro da Comunicação e Informação venezuelano e ex-presidente da Câmara de Caracas, Jorge Rodríguez, e o ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino Lopez, são os restantes elementos visados por estas novas sanções financeiras norte-americanas.

O próprio Nicolás Maduro consta da lista das sanções financeiras norte-americanas desde o verão de 2017.

De acordo com os termos das sanções, todos os bens destas figuras em território norte-americano passam a estar congelados e qualquer cidadão norte-americano está proibido de realizar negócios com estes responsáveis.

"O Presidente Maduro apoia-se no seu círculo mais próximo para manter a sua mão no poder, enquanto o seu regime está a saquear sistematicamente o que resta da riqueza da Venezuela", afirmou o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, citado num comunicado.