Todos os anos por esta altura, os americanos preparam uma das mais importantes tradições familiares. A 4ª quinta-feira do mês de outubro é o Dia de Ação de Graças, data em que devem ser celebrados e agradecidos todos os bons momentos passados ao longo do ano.

Na ementa consta sempre o peru, animal que é sacrificado neste dia para fazer a delícia de milhões de norte-americanos. Mas existe uma outra tradição. Quase em jeito de indulto, o presidente dos Estados Unidos em funções, deve escolher dois perus a quem perdoa a vida, garantindo que não serão comidos durante a celebração.

A Casa Branca divulgou esta segunda-feira os nomes dos animais poupados este ano. Bread e Butter ('Pão' e 'Manteiga') caíram nas boas graças de Donald Trump, e foram poupados este ano.

Se a tradição só por si já é bizarra, mais estranho é o destino dos dois animais. Mais bem tratados do que muitos americanos, os perus têm direito a uma noite no Hotel Willard, na capital Washington. Nesta luxuosa unidade hoteleira de cinco estrelas, o quarto mais barato ronda os 190 dólares (cerca de 172 euros) por noite.

Esta tradição começou ainda no séxulo XIX, quando Abraham Lincoln garantiu, ainda que de forma oficiosa, um perdão a um peru do qual o seu filho gostava muito. O gesto acabou por ir passando de presidente em presidente, até que George Bush o tornou oficial, em 1989.

/ AG