Tem 38 anos e é o mais novo dos 12 candidatos que pretendem representar o Partido Democrata nas eleições presidencias norte-americanas, marcadas para 3 de novembro. Poucos tinham ouvido de falar de Pete Buttigieg, que até há pouco tempo era apenas o mayor da cidade de South Bend, no estado do Indiana, com uma população a rondar os 100 mil habitantes, o que é relativamente pouco à escala norte-americana.

Depois das primárias no estado do Iowa, deixou de ser um putativo candidato, para se afirmar como uma figura central na corrida para defrontar Donald Trump.

A contagem ainda não está totalmente fechada, mas Pete Buttigieg lidera a corrida no estado, quando estão apurados 97% dos votos. Tem apenas mais três mandatos e uma décima do que Bernie Sanders, mas o facto de ter entrado na disputa já é novidade.

Os resultados finais do caucus (comissão política) do Iowa têm sido sucessivamente adiados devido a uma falha na organização, mas Pete Buttigieg continua na frente, quando a contagem está prestes a terminar.

Colocando-se à frente de nomes como Michael Bloomberg, Elizabeth Warren, e até mesmo Joe Biden (o grande derrotado no Iowa), promete ser um caso sério na corrida democrata à Casa Branca.

Esteve no comando de South Bend durante dois mandatos, até ter decidido não se recandidatar, uma vez que tinha voos mais altos no seu pensamento. Fez a sua formação na Universidade de Harvard e também tem uma graduação em Oxford. Antes de ingressar na política foi oficial da Marinha e consultor na McKinsey & Company.

Pete Buttigieg com a farda da Marinha
Pete Buttigieg com a farda da Marinha norte-americana

No seu site de campanha, afirma-se como "um novo tipo de líder que quer juntar os americanos para resolver os problemas urgentes".

Filho de um imigrante que chegou de Malta e de uma hoosier (família típica do estado do Indiana), vive em South Bend desde que nasceu. Além de ser o mais novo, Pete Buttigieg apresenta outra caraterística disruptiva das eleições norte-americanas: é o primeiro candidato a oficializar uma candidatura à Casa Branca que se assume como homossexual. De resto, partilha residência com o seu marido, Chasten Glezman (agora Chasten Buttigieg), com quem é casado desde 2018, e com os seus dois cães, que foram resgatados, como faz questão de sublinhar no seu site.

Pete Buttigieg e o seu marido Chasten
Pete Buttigieg e o seu marido Chasten

Sou definitivamente o único esquerdino maltês-americano-episcopal-gay-millennial-veterano de guerra na corrida, mas penso que o perfil só vos dá um primeiro olhar", referiu, citado pelo The New York Times.

Construiu a campanha em torno de uma mudança geracional, afirmando que vai ser uma ponte entre o povo e a política nos Estados Unidos. Foi o primeiro candidato a falar no aumento de lugares no Supremo Tribunal e destacou-se com uma boa angariação de fundos, ainda que afirme não aceitar dinheiro de lobistas.

A votação apanhou toda a gente de surpresa, incluindo o próprio Pete Buttigieg, que não escondeu a satisfação com as sondagens dos resultados.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Last night was the end of the beginning.

A post shared by Pete Buttigieg (@pete.buttigieg) on

António Guimarães