O Presidente do México celebrou no sábado o acordo alcançado com os Estados Unidos que evitará a imposição de tarifas aos produtos mexicanos e estendeu a mão ao Presidente norte-americano, mas avisou que os "compromissos são para cumprir".

López Obrador presidiu na cidade fronteiriça de Tijuana o "Ato de unidade em defesa da dignidade do México e em favor da amizade com o povo dos Estados Unidos", num tom muito mais conciliatório do que o esperado, depois de ambos os governos terem assinado a declaração conjunta.

Reiteramos a vontade de amizade, diálogo e colaboração", disse, rodeado por membros proeminentes do Executivo e quase todos os 32 governadores do país e representantes do Congresso mexicano.

O líder do Movimento Nacional de Regeneração (Brunette) foi firme em rejeitar que no futuro o México pudesse ser retaliado com tarifas.

Como chefe e representante do Estado mexicano, não posso permitir que ninguém ataque a economia do nosso país", disse López Obrador, que se definiu como um seguidor "pacifista" de Mahatma Gandhi, Nelson Mandela e Martin Luther King.

Se as duas partes não tivessem chegado a um acordo, as tarifas entrariam em vigor na segunda-feira, afetando todas as importações mexicanas, com taxas que começariam em 5%, subindo a cada mês até atingir 25% em outubro.

No acordo, o México comprometeu-se a mobilizar 6.000 elementos da Guarda Nacional para controlar a sua fronteira com a Guatemala e a receber os que solicitam asilo nos Estados Unidos, até que os seus pedidos sejam processados pelos tribunais dos EUA.

Os Estados Unidos acreditam que o México não está a fazer o suficiente para controlar a sua fronteira com a Guatemala, ao sul do seu território, e que permitiu o desenvolvimento de redes que levam migrantes para os Estados Unidos, principalmente provenientes da Guatemala, Honduras e El Salvador.

Nesse sentido, López Obrador anunciou que na próxima semana o seu Governo começará a fornecer "ajuda humanitária" para essas pessoas, bem como centros de emprego, saúde e educação.

Além disso, o Presidente mexicano apontou que quer mais parcerias económicas com Guatemala, Honduras e El Salvador para erradicar a migração forçada nestes países.

O líder mexicano lembrou que 43.000 crianças migrantes viajam sozinhas para chegar aos Estados Unidos e que por isso "será sempre injusto tentar punir o México por propor a suspensão da migração por meio da promoção do bem-estar e segurança", sublinhou.

Também em Tijuana, o ministro dos Negócios Estrangeiros mexicano, Marcelo Ebrard, que liderou a delegação que negociou com os Estados Unidos, admitiu que o país “não ganhou” as negociações em todas as frentes, mas comemorou o facto de não haver tarifas a partir de segunda-feira.

Caso contrário, quase 900.000 mexicanos poderiam ter perdido os seus empregos por causa das consequências que as taxas alfandegárias iam trazer, garantiu.

Marcelo Ebrard destacou ainda que o Governo norte-americano comprometeu-se a respeitar os direitos humanos dos migrantes e a apoiar o plano de desenvolvimento de López Obrador para a América Central.

"Como eu lhe disse hoje [sábado], quando lhe dei o meu relatório: não há honorários senhor Presidente, e saímos com a dignidade intacta", concluiu Ebrard.

O desfecho das negociações não foram unânimes no México: Os principais partidos da oposição mexicana contestaram o acordo de migração firmado entre o México e os Estados Unidos da América, considerando que o Governo mexicano “se rendeu” à exigência de “militarizar” a fronteira sul.

O Governo do México foi forçado a cumprir com a implantação de um muro militar no sul”, criticou através das redes sociais Marko Cortés, presidente do Partido de Ação Nacional (PAN).