O presidente dos Estados Unidos (EUA) disse esta sexta-feira que o vencedor das eleições presidenciais marcadas para novembro poderá não ser conhecido durante meses. Donald Trump justifica esta possibilidade com base nos muitos votos que serão efetuados através do correio, um método que já criticou publicamente várias vezes. Ao todo, e num ano em que o país atravessa uma grave crise sanitária provocada pela covid-19, estima-se que o número de votantes a utilizar esta via possa chegar a metade do total de eleitores.

Os especialistas em eleições afirmaram à agência Reuters que a contagem pode levar alguns dias, até porque muitos dos boletins enviados por correio só chegam após o dia das eleições, que está marcado para 3 de novembro.

Donald Trump proferiu estas declarações durante uma ação de campanha em Newport News, no estado da Virginia, acrescentando que prefere saber logo se ganha ou não, em vez de ter de esperar pelos boletins que vão chegar por correio.

Gosto de ver a televisão e ter o momento 'e o vencedor é'. Mas podemos não conhecer os resultados durante meses, porque isto é uma trapalhada", disse.

Após muitas críticas do presidente dos EUA e até alguns processos, várias decisões judiciais permitiram aos estados do Michigan, Pensilvânia, Wisconsin e da Carolina do Norte a votação por boletins enviados através do correio e que podem chegar após o dia das eleições.

As sondagens realizadas nos EUA mostram que existe um maior número de votantes democratas a pensar utilizar esta via, pensando sobretudo na possibilidade de evitar filas e grandes ajuntamentos nas urnas.

Mais recentemente, Donald Trump afirmou que, caso perdesse, não iria ceder o poder a Joe Biden de forma pacífica, apressando-se a dizer que essa terá de ser uma decisão tomada pelo Supremo Tribunal.

Um exemplo concreto da demora é o do estado do Michigan. A secretária daquele estado, Jocelyn Benson, referiu em entrevista à CNN que é esperado que três dos cinco milhões de eleitores votem através dos boletins.

António Guimarães