O antigo Presidente norte-americano Barack Obama elogiou este sábado os “heróis” do ‘11 de setembro’ de 2001, bem como os dos anos que se seguiram, numa mensagem para marcar o 20.º aniversário dos ataques terroristas nos Estados Unidos.

“Uma coisa que ficou clara no ‘11 de setembro’, e tem ficado clara desde então, é que a América sempre foi o lar de heróis que correm em direção ao perigo para fazer o que está certo”, disse Obama, Presidente norte-americano de 2009 a 2017.

Obama sublinhou que a imagem duradoura daquele dia que reteve, juntamente com a mulher, Michelle, não foram os destroços e a destruição, “mas as pessoas”. 

Nesse sentido, relevou os bombeiros que subiram as escadas, enquanto outros corriam, e os voluntários que cruzaram o país nos dias que se seguiram. 

Nos últimos 20 anos, vimos a mesma coragem e altruísmo em exibição repetidas várias vezes. Vimos isso há uma década, quando, após anos de persistência, os nossos militares conseguiram parar Osama bin Laden. E estamos a ver isso hoje, nos médicos e enfermeiras, cansados até à exaustão, a fazer o que podem para salvar vidas”, acrescentou, aludindo à pandemia de covid-19.

“Alguns deles nem tinham nascido há 20 anos e colocam-se hoje em risco para salvar os norte-americanos e ajudar os refugiados a encontrar uma vida melhor”, destacou Obama.

A 11 de setembro de 2001, dois aviões de passageiros embateram, com alguns minutos de intervalo (08:46 e 09:04, horas locais, mais cinco horas em Lisboa), nas torres gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque, provocando o seu desabamento poucas horas após o impacto.

Um terceiro avião pilotado pelos terroristas colidiu pouco depois contra o edifício do Pentágono e um quarto avião despenhou-se num descampado em Shanksville, no estado da Pensilvânia, após os passageiros e tripulantes terem tentado tomar o controlo do aparelho.

Os atentados perpetrados por membros do grupo terrorista Al-Qaida causaram a morte a cerca de três mil pessoas naquele que é considerado o maior ataque contra território norte-americano.

/ MJC