Os talibãs, no poder no Afeganistão, anunciaram esta domingo uma grande ofensiva contra a única região que ainda não controlam, o vale Panchir, no nordeste de Cabul, há muito conhecido como um reduto contrário aos talibãs.

Centenas de 'mujahedin' [combatentes religiosos] dirigem-se para Panchir para controlarem a região de Panshir, já que as autoridades não entregam o poder pacificamente", disse o representante deste grupo na plataforma social Twitter, citado pela agência France-Presse.

A resistência na região, conhecida como Frente Nacional de Resistência (FNR) no vale Panchir, é liderada por Ahmad Massoud, filho do comandante Ahmed Shah Massoud, que foi assassinado em 2001 pela Al-Qaida.

Segundo o porta-voz do FNR, Ali Maisam Nazary, este grupo está a preparar-se para "um conflito a longo prazo" com os talibãs, que enfrentarão milhares de afegãos que se juntaram à luta que se aproxima.

Os talibãs não vão durar se continuarem assim, estamos prontos para defender o país e advertimos contra o derramamento de sangue", acrescentou numa entrevista à televisão Al-Arabiya

Os talibãs entraram na capital do Afeganistão em 15 de agosto, quase sem encontrarem resistência, depois de uma ofensiva que começou em maio, quando as forças dos Estados Unidos da América e da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) começaram a retirar-se.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital pôs fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

/ JGR