A administração de Donald Trump impediu a entrada de vários órgãos de comunicação num briefing à imprensa, esta sexta-feira. Entre os órgãos de comunicação que foram barrados estão o The New York Times, o Los Angeles Times, o Politico e a CNN. 

Por outro lado, órgãos de comunicação conservadores como o Breitbart News, o The Washington Times ou o One America News Network tiveram acesso ao briefing.

Jornalistas da revista Time e da Associated Press tinham autorização para entrar, mas decidiram não o fazer na sequência destes acontecimentos.

O briefing à imprensa marcado para esta sexta-feira era com o porta-voz da Casa Branca, Sean M. Spicer.

O editor executivo do The New York Times frisou, em comunicado, que "nunca tinha acontecido algo deste género"na Casa Branca, que já conheceu "várias administrações", de "diferentes partidos".

“Nunca tinha acontecido algo deste género na Casa Branca durante a nossa longa história de cobertura das várias administrações, de diferentes partidos. Protestamos fortemente contra a exclusão do The New York Times e de outros órgãos de notícias. O acesso livre dos media a um governo transparente é obviamente crucial para o interesse nacional." 

A Associação de Correspondentes da Casa Branca (WHCA, na sigla em inglês) também já condenou o sucedido.

"O painel da WHCA protesta fortemente contra esta decisão da Casa Branca. Encorajamos os media que tiveram autorização para entrar a partilhar o material com os outros órgãos que não puderam. O painel vai discutir o assunto com os funcionários da Casa Branca."