Em Nova Iorque, uma mulher chamou a polícia depois de um homem negro lhe ter pedido que pusesse a trela no seu cão.

Tudo aconteceu no Central Park, em Nova Iorque, e quando a sua empresa soube o que se passou, despediu-a.

A empresa de investimentos Franklin Templeton anunciou na terça-feira, no Twitter, que despediu a funcionária e que a decisão “entra em vigor imediatamente”.

“Não toleramos racismo de qualquer tipo em Franklin Templeton”, refere a publicação.

Christian Cooper, que estava a observar pássaros no parque, pediu à mulher que prendesse o seu cão porque temia que isso pusesse em risco a vida selvagem.

Cooper e a mulher, identificada como Amy Cooper (sem parentesco), estavam numa área do Central park chamada Ramble, onde os cães são obrigados a usar trela, de acordo com as regras.

Cooper sublinhou que tudo começou quando viu que o cão da mulher estava a “destruir umas plantas”.

“Senhora, os cães aqui em Ramble precisam de estar sempre presos. O sinal esta aí”, disse o homem.

Quando ele começou a filmar, a mulher disse que ia telefonar à polícia e que lhes ia dizer que estava “um homem afro-americano a ameaçar-lhe a vida”.

Ela acabou mesmo por ligar e repetiu: “Ele é afro-americano”, antes de pedir que enviassem polícia para o local.

O vídeo que Cooper publicou nas redes sociais tornou-se viral e conta com milhões de visualizações.

   
Lara Ferin