Um cirurgião ortopédico norte-americano, que se tornou famoso por ter participado num reality show, e a namorada foram acusados de drogar e abusar sexualmente de duas mulheres, embora a polícia suspeite que possa haver “centenas” de vítimas. Grant William Robicheaux, de 38 anos, e Cerissa Laura Riley, de 31 anos, trabalhavam em conjunto para localizar mulheres em bares, drogá-las ou obrigá-las a beber grandes quantidades de álcool, e depois levá-las para o apartamento do médico para serem violadas.

De acordo com a estação de televisão britânica BBC News, as autoridades norte-americanas encontraram "milhares e milhares" de vídeos de possíveis vítimas nos telemóveis dos suspeitos. Os investigadores estão agora a tentar identificar as mulheres que aparecem nas imagens.

As mulheres pareciam estar altamente intoxicadas sem condições para consentir ou resistir a quaisquer tipos de atos sexuais. Baseado nesta evidência, acreditamos que existam muitas mais vítimas não identificadas", explicou o procurador do condado de Orange County, Tony Rackauckas.

Em conferência de imprensa realizada na terça-feira, o procurador mostrou aos jornalistas um vídeo de William Robicheaux no programa “Online Dating Rituals of the American Male” (Rituais de Namoro Online do Homem Americano”), um reality show exibido pelo canal Bravo e entretanto cancelado, num episódio intitulado “Three’s A Crowd” (“Três é uma multidão”)

Acreditamos que os acusados ​​usaram a boa aparência e o charme para diminuir as inibições das possíveis presas” e atrair os alvos, passando uma falsa sensação de segurança, afirmou o magistrado.

“Tendemos a confiar em médicos porque fazem um juramento de salvar vidas e não fazer mal. O segundo réu, sendo uma mulher, é fundamental. Uma mulher, que é a namorada, desempenha claramente um papel significativo em ‘desarmar’ as vítimas, fazendo com que elas se sintam confortáveis e seguras”, acrescentou.

Todos já ouvimos falar de um lobo em pele de cordeiro. Um lobo pode usar uniforme ou batas de médico. Ou um lobo pode ser uma mulher bonita”, disse ainda Tony Rackauckas.

"As pessoas muitas vezes acham que os violadores são homens estranhos e assustadores que se escondem entre arbustos e atacam mulheres inocentes. A realidade é que os violadores existem em todos os grupos socioeconómicos, em qualquer contexto”, alertou.

Duas vítimas identificadas, droga e armas ilegais

De acordo com o procurador do condado de Orange County, tudo começou quando Grant Robicheaux e Cerissa Riley foram indiciados por terem atacado duas mulheres em dois bares diferentes em 2016, depois de as vítimas terem apresentado queixa.

Uma das mulheres disse que conheceu o casal a 10 de abril de 2016 num restaurante em Newport Beach, uma cidade a 72 quilómetros a sul de Los Angeles, e os dois convidaram-na para uma festa num barco. Uma vez dopada, a mulher de 32 anos terá sido levada para o apartamento de Robicheaux e violada. A vítima apresentou queixa na polícia de Newport Beach no dia seguinte e foi submetida a exames que revelaram a presença de drogas no organismo, contou o procurador. Tony Rackauckas adiantou que, neste caso, o cirurgião e a namorada são acusados ​​de violação mediante o uso de drogas.

No dia 2 de outubro de 2016, outra mulher disse que acordou no apartamento de Robicheaux após uma noite de copos e gritou por socorro até que os vizinhos telefonaram para a polícia. A vítima contou que estava num bar em Newport Beach a tomar uma bebida com o casal e perdeu a consciência. Neste caso, o casal é acusado ​​de agressão sexual com a intenção de cometer violação.

Os investigadores afirmaram que encontraram o vídeo em que uma das duas mulheres é atacada.

Robicheaux e Riley são também acusados ​de possuir uma grande quantidade de drogas, incluindo GHB (conhecida como a "droga da violação"), cogumelos alucinogénios, ecstasy e cocaína. A polícia referiu que as substâncias ilegais foram encontradas durante uma busca realizada na casa do cirurgião em janeiro de 2018.

De acordo com um comunicado de imprensa citado pela BBC, Robicheaux é ainda acusado de ter duas espingardas semiautomáticas não registadas e outras quatro armas de fogo.

A polícia de Newport Beach passou o caso para análise do procurador distrital de Orange County no dia 6 de setembro. O casal foi detido na quarta-feira, dia 12 de setembro, em casa do cirurgião, mas acabou libertado depois de ter pago uma fiança de 100 mil dólares (85,632 euros).

O procurador disse que o Conselho de Medicina do Estado abriu uma investigação sobre Robicheaux, mas não há provas até o momento de que qualquer uma das pacientes do cirurgião de Newport Beach, tenha sido vítima.

Se forem condenados, Robicheaux e Riley arriscam uma pena de 40 e 30 anos de prisão, respetivamente.

O casal deve ser formalmente acusado perante o tribunal no dia 24 de outubro.