O ex-presidente Donald Trump e a sua esposa, Melania, receberam as vacinas contra o coronavírus no início de janeiro, antes de deixar a Casa Branca, revelou na segunda-feira ao The New York Times um conselheiro da Casa Branca.

A notícia surgiu um dia depois de Trump ter aparecido na reunião da Conferência sobre Ação Política Conservadora em Orlando, Flórida, onde pela primeira vez encorajou as pessoas a levarem a vacina. “A vacina não é nada dolorosa, por isso todos vocês deviam tomá-la”, disse Trump no seu discurso. Foi esta frase que levou o jornal a perguntar quando e como Trump teria sido vacinado. 

Enquanto era ainda Presidente, Trump nunca transmitiu este tipo de mensagem e chegou mesmo a desvalorizar, por diversas vezes, a gravidade da pandemia de covid-19.

A decisão de receber a vacina em segredo, sem publicidade, contrasta com a do seu sucessor na liderança dos Estados Unidos, Joe Biden, que em dezembro foi vacinado em frente às câmaras para promover a confiança pública nas vacinas. A vice-presidente Kamala Harris fez o mesmo, assim como o ex-vice, Mike Pence, e os antigos Presidentes Barack Obama, George Bush e Bill Clinton.

Donald e Melania Trump foram infetados com o coronavírus no outono, e o ex-presidente chegou mesmo a ser hospitalizado.

Maria João Caetano