O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Donald Trump deu informação secreta e classificada sobre o Estado Islâmico ao ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, e ao embaixador russo nos EUA, Sergey Kislyak. A notícia é divulgada pelo Washington Post, mas a Casa Branca garante que a informação é falsa.

De acordo com o jornal norte-americano, a troca de informação aconteceu a 10 de maio, quando Donald Trump esteve reunido com os dois dirigentes russos e referiu serviços de inteligência.

Sobre o conteúdo fornecido pouco ou nada se sabe, mas fonte anónima garante que o presidente norte-americano não tinha autorização para revelar dados sobre o Estado Islâmico.

A mesma fonte afirmou que os dados são tão importantes e sensíveis que nem toda a gente tinha acesso dentro do governo norte-americano ou nos países aliados dos EUA e podem levar à identificação de agentes secretos.

O conselheiro para a Segurança Nacional dos Estados Unidos já reagiu à notícia. Hebert McMaster garante que a informação é falsa.

A história divulgada esta noite é falsa. O presidente e o ministro dos Negócios Estrangeiros [russo] analisaram as ameaças comuns aos dois países, incluindo ameaças à aviação civil. Em momento algum, em momento algum foram abordados métodos ou fontes dos serviços informação. E o presidente não revelou qualquer operação que estejamos a fazer que não seja do conhecimento público. Outros dois oficiais que estavam presentes, incluindo o secretário de Estado, também se lembram desta reunião e as suas declarações valem mais que fontes anónimas. Eu estive presente e isso não aconteceu”, garantiu.