A Espanha está preparada para acolher alguns ex-detidos que se encontram na base militar norte-americana de Guantánamo, em Cuba. O ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros, Miguel Angel Moratinos, deu conta desta possibilidade depois de um encontro com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, em Washington.

Moratinos apontou que a avaliação será feita caso e caso e sempre sob condições legais aceitáveis. Esta abertura de Espanha surge depois de um apelo de ajuda por parte de Clinton «para resolver» o que descreveu como «um drama, uma inaceitável tragédia».

«Estamos preparados para cooperar. As nossas equipas irão manter-se em contacto para estudar legalmente cada situação caso a caso», referiu o ministro.



O novo presidente dos EUA, Barack Obama, prometeu fechar o centro de detenção, para onde foram levados presos da chamada guerra ao terror, no prazo de um ano. Em Guantánamo continuam detidas 250 pessoas.