Um homem, que entrou na câmara do Senado norte-americano com uma bandeira da campanha Trump, foi condenado, esta segunda-feira, a oito meses de prisão, tornando-se a primeira pessoa condenada por um crime relacionado a invasão de 6 de janeiro.

Paul Allard Hodgkins disse em Tribunal ter-se deixado levar pela euforia do momento, quando caminhava nas ruas de Washington.

Se eu soubesse que o protesto iria escalar tanto, nunca me teria aventurado mais longe do que a calçada da Avenida da Pensilvânia. Foi uma decisão insensata da minha parte", afirmou Paul ao juiz, citado pela agência de notícias Associated Press.

Os procuradores queriam que inicialmente Paul ficasse preso 18 meses por  "contribuir para a ameaça coletiva à democracia".

O infrator acabou por se declarar culpado no mês passado de uma acusação de obstrução a um processo oficial, o que implica uma pena de prisão de 20 anos. Em troca,os procuradores concordaram em retirar as acusações mais pequenas, como a entrada num edifício com restrições e a conduta desordeira.

As imagens mostram Paul vestido com uma camisola alusiva à campanha de Donald Trump, com uma bandeira hasteada e com uns óculos de proteção à volta do pescoço.

Uma e outra vez, em vez de se virar e recuar, Paul Hodgkins empurrou para a frente", disse o arquivamento governamental, citado pela AP.

Fonte: AP images

O advogado de Paul Hodgkins, Patrick N. Leduc, descreveu o seu cliente como um americano cumpridor da lei que, apesar de viver numa parte mais pobre de Tampa Bay, era voluntário num banco alimentar. 

Esta é a história de um homem que, durante apenas uma hora, perdeu o rumo e que tomou a decisão fatídica de seguir a multidão", explicou o advogado, citado pela AP.

A apresentação de 33 páginas do advogado dedica várias páginas à Guerra Civil, destacando os apelos de Abraham Lincoln à reconciliação semanas antes do seu assassinato.

A 6 de janeiro, uma multidão de apoiantes do Trump invadiu o Congresso com a intenção de parar o processo de certificação - que nessa altura estava a decorrer nas duas câmaras legislativas - do resultado das eleições que deu a vitória ao atual Presidente, Joe Biden.

Durante a invasão foram mortas cinco pessoas, quatro apoiantes de Trump e um polícia. Dois outros agentes que participaram na operação durante a agressão suicidaram-se nos dias que se seguiram.

Trump foi sujeito a um segundo processo de destituição no Congresso, na sequência da invasão ao Capitólio, acusado do crime de "incitamento à insurreição", mas foi absolvido do 'impeachment', com 56 votos contra e 44 a favor.

Redação / IC