Uma passageira do voo 1380 da Southwest Airlines morreu, na terça-feira, nos Estados Unidos, depois de quase ter sido sugada pela janela do avião em pleno voo devido ao rebentamento de um motor. De acordo com as autoridades, o aparelho, um Boeing 737-700, foi obrigado a fazer uma aterragem de emergência no aeroporto de Filadélfia, depois de uma janela, asas e fuselagem terem sido danificadas no incidente, que provocou pelo menos mais sete feridos.

De acordo com a Administração Federal de Aviação dos EUA, o Boeing aterrou em Filadélfia às 11:20 locais (16:20 em Lisboa). A CBS News revelou o diálogo entre a piloto do avião, Tammie Shults, e um operador da torre de controlo do aeroporto.

Na gravação de controlo de tráfego aéreo, a piloto, que serviu na Marinha dos EUA durante dez anos e chegou a pilotar caças a jato, pergunta: "As equipas médicas podem esperar-nos na pista? Temos passageiros feridos".

"O avião incendiou-se?", pergunta o operador.

"Não, não está em chamas, mas falta-lhe uma parte", responde o piloto. “Há um buraco e alguém saiu”, acrescentou.

O Boeing 737-700 partiu do aeroporto de La Guardia, em Nova Iorque, e dirigia-se a Dallas, no Texas, com 144 passageiros e cinco tripulantes a bordo. Alguns passageiros disseram à CNN que foi uma experiência aterrorizante: ouviram uma explosão, uma janela partiu-se e peças de metal voaram pelos ares. As máscaras de oxigénio caíram.

As mesmas testemunhas disseram que um motor no lado esquerdo do aparelho explodiu, partindo uma janela e provocando a despressurização no interior do avião, que quase sugou uma passageira para fora da aeronave. Os braços e a parte superior do corpo da mulher até à cintura foram sugados pela janela. Dois homens que estavam ao lado dela conseguiram puxá-la de volta depois de vários minutos de esforço.

Os passageiros tentaram depois tapar a janela com coletes salva-vidas e outros objetos, que também foram absorvidos pela pressão, enquanto o avião começava a cair e oscilava em turbulências. Os comissários de bordo choravam e os passageiros receberam instruções para se inclinarem sobre os joelhos em preparação para uma aterragem de emergência.

A mulher que foi sugada não resistiu aos ferimentos e acabou por morrer mais tarde no hospital.

Em comunicado, os responsáveis da companhia aérea confirmaram a morte de uma pessoa e disseram-se "devastados" por "este trágico acidente". Trata-se da primeira morte de um passageiro num voo comercial dos EUA desde 2009.

De acordo com o jornal Philadelphia Inquirer, a vítima mortal era Jennifer Riordan, mãe de dois filhos e vice-presidente do banco Wells Fargo em Albuquerque, no Estado do Novo México.

A National Transportation Safety Board, agência responsável pela investigação de acidentes com meios de transporte dos EUA, confirmou entretanto que uma peça da turbina esquerda do avião se soltou com a explosão e atingiu e partiu a janela. Com o impacto, a cabine do aparelho ficou despressurizada.

“Absolutamente aterrador”

Marty Martínez, um passageiro a bordo do voo 1380, relatou ao vivo no Facebook o momento do rebentamento do motor do avião. O Wi-Fi tinha sido ativado para os passageiros cerca de 30 minutos após a descolagem do aparelho.

Alguma coisa está mal no nosso voo! Parece que estamos a cair!", diz Martínez, no vídeo ao vivo, onde aparece com um olhar de pânico e a respirar com a ajuda de uma máscara de oxigénio."O motor explodiu no ar e fez rebentar uma janela a três filas de mim. A explosão feriu de maneira crítica uma mulher sentada junto à janela", acrescenta.

 

Havia sangue por todo o lado", disse mais tarde Martínez ao relatar a experiência à CBS News.

O passageiro contou que não houve advertências de que o avião estava com problemas e fez depois uma referência ao vídeo que publicou no Facebook.

Pensei que estava a relatar os últimos momentos da minha existência. Subitamente, ouvimos uma explosão. Houve um 'boom' e, em cinco segundos, caíram as máscaras de oxigénio. Foi absolutamente aterrador. Foi como uma queda livre. Uma experiência de calafrios", rematou.