A Rússia não vai atender aos pedidos dos EUA e União Europeia para libertar centenas de manifestantes detidos no domingo.

Segundo a agência Reuters, o Kremlin considera os protestos “uma provocação” e garante que muitos dos manifestantes adolescentes foram pagos pelos organizadores – a oposição ao governo – para participar no protesto e que muitos foram encorajados a provocar distúrbios e cometer ilegalidades.

O Kremlin mostra-se, aliás, preocupado que ações similares venham a acontecer no futuro.

O porta-voz Dmitry Peskov garante que as preocupações de todos os manifestantes que protestaram legalmente – em manifestações autorizadas - em todo o país foram ouvidas.

A polícia russa deteve centenas de manifestantes, incluindo o líder da oposição, Alexei Navalny, durante um protesto em Moscovo contra a corrupção. Outras detenções aconteceram em cidades como S. Petersburgo, Vladivostok e Novosibirsk.

Alexei Navalny, líder do partido progressista, de 40 anos, foi ouvido esta manhã em tribunal e afirmou que o primeiro-ministro, Dmitry Medvedev, deveria estar no seu lugar.

O tribunal multou Navalny em 20 mil rublos (cerca de 323 euros), por ter organizado o protesto em Moscovo, e a 15 dias de prisão por resistir a agentes da autoridade.