O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron pediram o «fim imediato do banho de sangue» na Síria, segundo um comunicado da Casa Branca citado pela agência de notícias «France Presse».

Durante uma conversa telefónica entre os dois chefes de Estado, Obama e Cameron expressaram a sua «profunda preocupação com o uso da violência pelo governo sírio contra civis» e a sua «crença na necessidade de responder à exigência legítima de transição democrática expressa pelo povo sírio», afirma a nota de imprensa.

Desde Março que a contestação contra o presidente sírio Bashar al-Assad já fez 1.800 civis mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Uma activista da oposição disse à agência «EFE» que pelo menos sete pessoas morreram este sábado em várias localidades da Síria, incluindo três em Homs, numa ofensiva das forças de segurança para silenciar as vozes dissidentes.

O porta-voz dos Comités de Coordenação Local, Omar Edelbe, disse que os disparos das forças de segurança mataram três pessoas em Homs (no centro do país), um jovem de 17 anos no bairro de Al Raml, na cidade costeira de Lattaquié, e um homem em Hama (centro).

Uma outra pessoa também morreu em Homs devido aos ferimentos sofridos durante a prisão e outra na cidade de Daray, na província de Rif Damasco, não resistindo aos ferimentos de bala sofridos da véspera.
Redação