Uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas, esta terça-feira, na sequência de um tiroteio junto a uma secção de voto, na Califórnia, Estados Unidos. De acordo com o Los Angeles Times, o tiroteio foi levado a cabo apenas por uma pessoa, “fortemente armada”.

Algumas horas depois, quando os agentes entraram na casa onde o suspeito se tinha barricado, encontraram o suspeito morto, afirmou John Corina, da polícia do condado de Los Angeles. Não é possível ainda adiantar, de acordo com a polícia, se o suspeito morreu na sequência de ferimentos provocados pela troca de tiros com a polícia ou se atirou sobre si mesmo.

John Corina adianta que as autoridades procedem a uma espécie de varredura na zona, para se certificar de que não há mais suspeitos envolvidos. 

A identidade e os motivos do suspeito ainda não estão confirmados. Inicialmente, a polícia de Azusa tinha informado que o atirador era uma mulher.

Logo após o incidente, a polícia de Azusa, onde aconteceu o incidente que obrigou ao encerramento da mesa de voto, publicou um apelo no Twitter, pedindo aos cidadãos para permanecerem em casa.

Entretanto, a mesma polícia atualizou a informação, sublinhando que a situação passou a ser tratada como um caso de barricado.

O tiroteio ocorreu por volta das 14:00 locais (22:00 em Lisboa). "Esta é uma situação muito volátil e crítica", afirmou ao LA Times Jerry Willison, do Departamento de Polícia de Azusa.

Uma testemunha citada pelo LA Times disse que estava com a mulher na varanda de casa quando viu o homem fazer pelo menos 10 disparos. De acordo com a mesma testemunha, o homem estava vestido com uma camisa branca e umas calças pretas e, assim que a polícia chegou, entrou numa casa vizinha.

  
Manuela Micael / Atualizada às 04:25