As autoridades chinesas detiveram os responsáveis de uma mina de ouro no Leste da China onde um grupo de 22 mineiros está retido desde domingo, após uma explosão.

Segundo a agência de notícias chinesa Xinhua, os responsáveis levaram mais de 24 horas a informar as autoridades sobre o acidente, violando o tempo máximo de notificação, de uma hora.

A explosão aconteceu no domingo, numa mina situada em Qixia, na província de Shandong, causando danos graves na escada que dá acesso ao fundo da mina, bem como nos cabos de comunicação.

As autoridades não indicaram a profundidade a que se encontram os mineiros.

A mina pertence à empresa local Shandong Wucailong Investment.

Mais de 300 trabalhadores estão a tentar remover os obstáculos que impedem o acesso aos mineiros retidos.

A China é o maior produtor mundial de ouro, com 11% do total mundial extraído em 2019, segundo o Conselho Mundial do Ouro.

O país contava com mais de três mil minas de ouro em 2016, de acordo com um estudo dos serviços geológicos chineses.

Os acidentes em minas são frequentes na China, que todos os anos regista dezenas de milhares de mortos em acidentes laborais.

Em dezembro, 23 mineiros morreram numa mina de carvão em Chongqing, no sudoeste do país, após uma fuga de gás.

Em setembro de 2020, 16 mineiros morreram numa mina de carvão igualmente localizada no município de Chongqing, também após uma fuga de gás.

/ AG