O Supremo Tribunal da Polónia recusou esta terça-feira reabrir o processo de extradição para os Estados Unidos da América do cineasta Roman Polanski, perseguido pelas autoridades norte-americanas desde 1977, escreve o jornal britânico The Independent.

O Supremo Tribunal “negou provimento ao recurso”, disse esta terça-feira o juiz Michal Laskowsi, em Varsóvia.

Em maio, o ministro da Justiça polaco, Zbigniew Ziobro, tinha pedido ao tribunal para revogar a extradição de Polanski, pedida em 2015 pelos EUA.

Roman Polanski, 83 anos, natural da Polónia, vive atualmente em França.

O realizador continua a ser procurado pelo caso que o envolve com Samantha Gailey, após uma sessão fotográfica, em Los Angeles, na Califórnia. Em 1977, Gailey tinha 13 anos e Polanski 44 . De acordo com a acusação, o cineasta drogou e violou a adolescente norte-americana.

Após 42 dias de prisão, seguida de libertação sob caução, Polanski admitiu ser culpado de "relações sexuais ilegais" com uma menor e abandonou os Estados Unidos por recear uma condenação que poderia atingir os 50 anos de cadeia.

 
Redação / AR