O responsável máximo da polícia das Filipinas anunciou hoje a sua demissão, após suspeitas de ter impedido acusações, em 2013, de agentes policiais suspeitos de venderem grandes quantidades de drogas apreendidas.

O caso está a ser investigado no Senado do país e levou a que o general Oscar Albayalde tivesse apresentado a sua demissão ao secretário do Interior filipino, Eduardo Ano.

Apesar de ter apresentado a demissão, Oscar Albayalde insistiu na sua inocência, dizendo que nunca foi acusado criminalmente ou administrativamente por esta alegada irregularidade.

A guerra contra as drogas tem sido uma das bandeiras políticas do Presidente das Filipinas.

Apesar da campanha reunir o apoio de uma boa parte da opinião pública filipina, esta tem merecido a condenação da comunidade internacional face aos relatos de assassínios aleatórios e noturnos cometidos pelas forças policiais (e por agentes à paisana) e da existência de atiradores contratados.

Segundo as autoridades filipinas, 5.300 pessoas foram mortas pela polícia ao abrigo desta campanha, mas as organizações de defesa dos direitos humanos acreditam que este número pode ser multiplicado por quatro.