Um homem filipino morreu após ser forçado a fazer mais de 300 agachamentos por ter quebrado as regras de confinamento nas Filipinas. Darren Manaog Peñaredondo tornou-se assim mais uma vítima da violenta campanha de restrições imposta no país.

Segundo uma fonte da família, o jovem, de 28 anos, teria saído de casa para comprar água, na localidade de General Trias. Ao que a CNN Filipinas apurou, durante o trajeto, Darren foi mandado parar pela polícia, que o ordenou a fazer 100 agachamentos, acabando por mandar o jovem repetir a sequência, chegando assim às 300 repetições.

Ele começou a ter convulsões no sábado, mas conseguimos reanimá-lo em casa. Depois o corpo dele falhou, voltámos a reanimá-lo, mas já estava em coma”, afirmaram os familiares.

As Filipinas têm um dos maiores números de casos de covid-19 da Ásia - registou mais de 819.000 infecções e 14.000 mortes, de acordo com os números da Universidade John Hopkins. No mês passado, os casos no país aumentaram drasticamente, levando as autoridades a ordenar o confinamento de mais de 25 milhões de pessoas - incluindo as da província de Cavite, onde fica a cidade de General Trias.

Devido à situação, as autoridades filipinas começaram uma agressiva campanha de repressão em abril, depois de o presidente filipino, Rodrigo Duterte, ter sugerido que as forças de segurança tinham autorização para disparar sobre quem violasse as restrições impostas.

Eu não vou hesitar. As minhas ordens são para a polícia e para os militares: se eles [os cidadãos] se tornarem indisciplinados e lutarem contra vocês, e se as vossas vidas estiverem em perigo, disparem contra eles", declarou o presidente.

Um grande número de pessoas foram detidas por violar as restrições nos últimos 12 meses. Entre março e agosto do ano passado, quase 290 mil pessoas foram advertidas, multadas ou acusadas por violar as regras de quarentena.