O Estado Islâmico reivindicou, esta sexta-feira, o ataque a um complexo turístico em Manila, através de um comunicado na agência afeta ao grupo terrorista, a Amaq. O comunicado surge depois de as autoridades filipinas terem informado que não encontraram indícios de que tenha sido um atentado jihadista.

Na sequência do ataque ao complexo de Manila, que provocou 36 mortos, surgiram informações na imprensa de que o Estado Islâmico tinha reivindicado o ataque. Mas, segundo o SITE - Intel Group, que monitoriza a atividade dos grupos terroristas no mundo, o que aconteceu na quinta-feira foi que um soldado do Estado Islâmico nas Filipinas afirmou que o ataque tinha sido realizado pelo grupo radical islâmico.

Uma informação que depressa foi desmentida pelas autoridades do país. A polícia local afirmou que não havia indícios de ataque jihadista, até porque a maioria das vítimas mortai se deveu à inalação de fumo tóxico. 

Mas esta sexta-feira, e depois do desmentido das autoridades, o Estado Islâmico reivindicou, oficialmente, o ataque, segundo o SITE. A reivindicação surgiu através do meio de propaganda habitual do grupo, a agência Amaq.

ataque foi levado a cabo por um homem armado, que abriu fogo e incendiou mesas de jogo num local pouco amplo, causando uma elevada concentração de fumo. O indivíduo foi encontrado morto noutro piso do hotel.

Pelo menos 36 pessoas morreram, incluindo o autacante, seguno o balanço que foi divulgado esta sexta-feira pelas autoridades do país.

O hotel Resorts World Manila também confirmou, em comunicado, que há 35 vítimas mortais e 54 feridos. O número de vítimas mortais aqui divulgado não inclui o atirador.