Um homem armado entrou aos tiros, esta quinta-feira, num famoso resort de Manila, nas Filipinas. O Estado Islâmico reivindicou o ataque, mas a polícia local não encontrou indícios de terrorismo, admitindo que os jihadistas o tivessem feito apenas por propaganda.

“Não podemos dizer que foi terrorismo. Ele não magoou ninguém. Se és um terrorista, vais semear o terror”, disse o responsável da polícia, Ronald dela Rosa.

A mesma fonte disse que o homem incendiou algumas mesas de jogo do casino e que não teve os hóspedes como alvo. A polícia inclina-se então para a hipótese de se ter tratado de uma tentativa de assalto.

A polícia local disse que o ataque fez 36 mortos, incluindo o atirador. Há ainda mais de 50 feridos.

Funcionários do Resorts World que iam a fugir do local tinham dito à CNN que viram um atirador encapuzado a disparar sobre os hóspedes. 

Um porta-voz do exército, citado pela Reuters, adiantou que a polícia está no controlo da situação. 

Neste local, que fica muito perto do aeroporto internacional de Manila, há vários hotéis, bares e restaurantes, sendo um motivo de atração para muitos turistas.

Algumas testemunhas partilharam imagens nas redes sociais.

 

 

 

 

O Resorts World Manila confirmou o incidente no Twitter:

Os Estados Unidos aconselharam os seus cidadãos que se encontrem em Manila a evitar o local.

O porta-voz da Casa Branca assegurou que Donald Trump está a acompanhar a situação: