Uma estátua que recria o beijo icónico entre o marinheiro lusodescendente George Mendonsa e uma enfermeira após o fim da II Guerra Mundial foi vandalizada no estado norte-americano da Florida.

Na perna da enfermeira foi pintada a hashtag “#MeToo”, que ficou associada ao movimento contra o assédio e o abuso sexual de mulheres nos Estados Unidos. 

Esta inscrição na estátua em Sarasota terá surgido na segunda-feira, pouco tempo depois de ter sido noticiada a morte de Mendonsa, filho de emigrantes açorianos nos Estados Unidos.

A fotografia deste beijo foi captada pela lente de Alfred Eisenstaedt, que trabalhava para a revista Life, e depressa se tornou numa imagem icónica.

A enfermeira, de seu nome Greta Friedman, tinha 21 anos na altura. Numa entrevista dada em 2005, Friedman recordou aquele momento como um beijo que não foi consensual.

“De repente fui agarrada por um marinheiro. Não foi bem um beijo. Foi mais um momento de alegria porque ele não teria de voltar. Ele estava a segurar-me de forma apertada. Era apenas alguém a celebrar. Não foi um momento romântico. Foi mais um 'Graças a Deus a guerra acabou’”, contou ao projeto Veterans History (História dos Veteranos).

Também o lusodescendente George Mendonsa lembrou à CNN, em 2015, que agiu por instinto e a "agarrou".

Chegámos a Times Square, a guerra tinha acabado e eu vi aquela enfermeira. Tinha bebido alguns copos e acho que agi por instinto. Simplesmente agarrei-a”, sublinhou.

A polícia está à procura do autor do grafitti, que, entretanto, já foi removido da estátua pela autarquia de Sarasota.