Um grupo de cientistas descobriu que a existência de rios e formações terrestres sob o gelo da Antártida está a criar grandes fendas no fundo da camada de gelo. O estudo foi realizado por investigadores da Universidade Livre de Bruxelas e da Academia de Ciências da Baviera.

Os segredos que se escondem debaixo da camada de gelo da Antártida são difíceis de detectar uma vez que estão a milhares de metros de profundidade e, regra geral, têm uma dimensão relativamente pequena. 

Mas, nesta nova investigação, os cientistas conseguiram detetar um sistema de rios e formações de sedimentos que se encontra ativo e que tem uma dimensão cinco vezes superior à dos que foram descobertos noutras regiões onde o gelo desapareceu.

Os cientistas dizem que estas formações, que se encontram a milhares de metros de profundidade, estão a esculpir o fundo da camada de gelo e a criar fendas de grandes dimensões que podem comprometer a estabilidade da camada de gelo.

Estes rios, conhecidos como canais subglaciares, podem ter vários metros de largura. Neste novo estudo, os investigadores concluíram que os canais alargam à medida que se aproximam do oceano. 

À medida que as condutas alargam, a velocidade de saída da água diminui, o que leva ao aumento da deposição de sedimentos. Este fenómeno, ao longo de milhares de anos, leva à criação de grandes formações de sedimentos - para se ter uma ideia, estas formações podem ter a altura da Torre Eiffel.

Este processo de sedimentação ativa conduz à criação de eskers -  sulcos alongados de materiais. Os eskers detetados nesta investigação são muito maiores do que os que já foram encontrados no passado.

Ora, a evolução destes sedimentos acaba por deixar cicatrizes no fundo da camada de gelo e estas marcas acabam por afetar as plataformas de gelo flutuante a jusante.

A ligação entre o sistema hidrológico subglacial, a sedimentação e a estabilidade da camada de gelo pode ajudar a desvendar alguns processos importantes que ocorrem nas profundezas da Antártida e até ajudar a reconstruir a camada de gelo nas regiões onde esta desapareceu.