O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Bernard Kouchner, afirmou esta segunda-feira à rádio RTL que «pensou na demissão» devido à polémica acerca da expulsão de ciganos, mas que não o fez porque «sair é desertar».

Bernard Kouchner, que antes de entrar na política foi durante longos anos defensor dos direitos humanos, afirmou «não estar contente com o que aconteceu» e admite que a imagem de França foi afectada por esta política do Governo.

Kouchner considerou, no entanto, que a França, enquanto um dos principais países receptores de candidatos a asilo, «não tem nada de que se envergonhar».
Redação / CP